IMS-Uerj promove Seminário Custo da Formação Médica no Brasil

30/07/2019


O CREMERJ participou do "Seminário Custo da Formação Médica no Brasil", promovido pelo Instituto de Medicina Social (IMS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), nesta terça-feira, 30. O encontro reuniu especialistas de diversas áreas, como medicina, economia e gestores da rede pública para debater os custos da formação médica nas redes públicas e privadas e a relação com o mercado de trabalho. O diretor do CREMERJ Flavio de Sá Ribeiro representou o Conselho.

O evento foi aberto pelo pesquisador do IMS-Uerj Mario Dal Poz e pela subsecretária de pós-graduação de ensino e pesquisa da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (SES-RJ), Anna Tereza Soares de Moura, que ministraram a palestra "Perspectivas e importância de estudos sobre custos (públicos e privados) da formação, sua relação com o mercado de trabalho e o alcance de objetivos de políticas públicas".

"No Brasil, o número de médicos já alcança praticamente meio milhão em um total da força de trabalho de saúde de mais três milhões. A formação dessa força de trabalho garantida por mais de cinco mil cursos de nível superior, para as profissões da Saúde, dos quais mais de 300 são faculdades de medicina", destaca Dal Poz.

"A nossa pesquisa demonstrou a quase inexistência de estudos que subsidiem o processo de decisão política e financeira para a abertura e funcionamento das escolas médicas. Por isso, estamos propondo o desenvolvimento de uma metodologia para estimar o custo da formação médica no Brasil", disse Mario Dal Poz.

Para  o diretor do CREMEJR Flavio de Sá Ribeiro é importante que estudos, como este sobre a formação médica, estejam sendo desenvolvido por pesquisadores nas faculdades.

"O CREMERJ acredita que seja necessário, que o trabalho que está sendo apresentado neste seminário seja desenvolvido e levado à frente. Estar com dados estatísticos é importante para termos um panorama da formação médica no Brasil. O Conselho está sempre participando e promovendo debates sobre o tema, a fim de garantir uma formação médica de qualidade tanto no âmbito público quanto no privado", afirma Flavio.

O encontro também discutiu os seguintes temas: "Investimento público e gastos em formação médica (financiamentos e renúncias e mensalidades e gastos indiretos)"; "A implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) e dos Projetos Políticos Pedagógicos (PPPs): qual impacto e os desafios sobre os custos do funcionamento das escolas médicas"; "Conceitos e peculiaridades dos custos no sistema de educação superior, em particular na educação médica" e "Estudo de caso - gastos de uma faculdade (PPP escolhido - real ou estimado).