CREMERJ mostra indignação com queda parcial de teto do HFA

21/06/2019


O CREMERJ recebeu com indignação a notícia de que parte do teto do CTI do Hospital Federal do Andaraí (HFA) desabou, após o rompimento de uma tubulação, na última quarta-feira, 19. Para o Conselho, o ocorrido só reforça o quanto é importante e necessário que medidas sejam tomadas urgentemente na unidade, a fim de garantir a segurança dos pacientes e condições adequadas de trabalho para médicos e demais funcionários.

Em 3 de junho, o CREMERJ fez a interdição ética da emergência do HFA, após constatar a superlotação de pacientes graves sem a adequada assistência, falta de recursos humanos e déficit de medicamentos e insumos. A direção da unidade já havia sido notificada algumas vezes, antes da interdição, mas nada foi feito. O Conselho ainda aguarda que os gestores tomem às providências necessárias para que a interdição seja revertida.

Ainda sobre o HFA, em 11 de junho, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 80 milhões do orçamento da União. O objetivo é que o dinheiro seja usado para resolver problemas encontrados no HFA, como a contratação de profissionais e a realização imediata de obras na emergência. A decisão é do juiz Marcus Livio Gomes, da 30ª Vara Federal do Rio de Janeiro, onde, inclusive, o CREMERJ participou de uma audiência pública, no dia 10, para debater a situação.

“Os gestores precisam tomar providências imediatas em relação ao Hospital Federal do Andaraí. Tomamos a decisão da interdição ética na emergência, com muita tristeza, porque este é um último recurso e, até o momento, as principais medidas ainda não foram tomadas. Para piorar, recebemos a notícia sobre este desabamento parcial no CTI do HFA, o que mostra o real sucateamento da unidade, colocando em risco a vida de pacientes e funcionários”, destacou o presidente do CREMERJ, Sylvio Provenzano.