CREMERJ recebe representantes da Secretaria Municipal de Saúde

17/05/2019


A Comissão de Saúde Pública do CREMERJ promoveu nesta quinta-feira, 16, reunião com a secretária municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Ana Beatriz Busch, e a subsecretária de Regulação do município do Rio de Janeiro, Claudia Lunardi, para questionar o posicionamento das autoridades a respeito da falta de médicos obstetras no Hospital Maternidade Alexander Fleming.

Participaram do encontro os diretores do CREMERJ Luís Guilherme dos Santos, Rafaella Leal e Ricardo Farias Junior e o conselheiro Walter Palis, que também questionaram as gestoras quanto aos trâmites para apurar e resolver a situação.

Segundo a coordenadora da Comissão de Saúde Pública, conselheira Margareth Portella, a falta de obstetras é recorrente nos fins de semana e traz insegurança aos médicos e a população. “Os relatos que recebemos dão conta de que esta situação acontece desde outubro de 2018, mas piorou no início deste ano. A estrutura funciona com esforço conjunto da rede de transferência para o encaminhamento de ambulâncias a outras unidades, com enfermeiras fazendo a triagem das gestantes”, explicou Margareth.

Ana Beatriz disse que demorou a tomar conhecimento da gravidade da situação na maternidade. “Identifiquei um problema na unidade, sobretudo gerencial. Abrimos uma sindicância administrativa para apurar a situação e só terei uma posição definitiva no prazo de 45 dias. A partir daí, terei as respostas sobre porque não tem obstetra na unidade nos fins de semana, já que em nenhum momento a diretora me informou disso, e há quanto tempo este déficit vem se repetindo”, disse Ana Beatriz.

Após os questionamentos dos participantes, a conselheira Margareth concluiu a reunião. “Conversar com uma autoridade sanitária do município é sempre muito importante. Também citamos a maternidade Herculano Pinheiro, que enfrenta sérios problemas de recursos humanos. Tivemos a oportunidade de informá-la sobre vários problemas e esperamos receber um cronograma de correções para as graves falhas relatadas”, disse.