Unidades municipais têm situação agravada pela falta de verbas

15/08/2018


Graves problemas no Hospital Municipal Evandro Freire, principal unidade de emergência na Ilha do Governador, foram denunciados pela imprensa nessa terça-feira, 14. Devido à falta de repasses pela prefeitura do Rio, a enfermaria psiquiátrica e as cirurgias eletivas foram suspensas. Em entrevista, o presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, alertou que a unidade já havia comunicado que os setores de CTI e de Urgência e Emergência devem fechar ainda esta semana.

Sem procedimentos cirúrgicos no Evandro Freire, uma paciente aguardava por uma vaga no Hospital Municipal Souza Aguiar para ser operada. A reportagem ainda mostrou pessoas internadas em cadeiras.

A matéria também apresentou mais nove unidades no município que alegam não estar com os pagamentos em dia. São elas: Ronaldo Gazola, Pedro II, CER Leblon, CER Centro, CER Ilha do Governador, UPA Engenho de Dentro, UPA Costa Barros, UPA Vila Kennedy e UPA Madureira.

De acordo com a denúncia, a situação do Pedro II é a mais crítica, levando uma funcionária a cuidar, sozinha, de 30 pacientes.

As Organizações Sociais (OSs) responsáveis pela gestão das unidades dizem não estar recebendo os repasses da prefeitura, que, por sua vez, não informou quando pretende quitar os pagamentos em atraso.

 “É uma grande irresponsabilidade da prefeitura permitir que um hospital como o Evandro Freire, tão importante para a região, tenha tantos setores fechados, e que outras unidades estejam sem recursos. O que estão fazendo com o dinheiro destinado à Saúde? Exigimos uma explicação!”, declarou Nahon.

 

Assista a matéria na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=0YTxpEDGNuA