CRM participa de ato pelo diagnóstico precoce da cardiopatia

19/06/2018


Foi promovido nesse domingo, 17, na Praia de Copacabana, a passeata de conscientização da cardiopatia congênita, realizada pela Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro (Soperj) e que teve o apoio da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do CREMERJ.

A passeata teve o objetivo de chamar a atenção de populares, profissionais de saúde e autoridades para a necessidade urgente de mudança na gestão pública do sistema de saúde, sobretudo para o tratamento e acompanhamento das cardiopatias congênitas. A estimativa é que cerca de 1% dos nascidos vivos terão essa anormalidade funcional do coração, que se origina ainda no feto.

Segundo o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) do Ministério da Saúde, no ano de 2017, foram realizadas aproximadamente de 800 cirurgias no Rio de Janeiro, quando seriam necessárias cerca de 1300 cirurgias/ano. Para a cardiopediatra Talita Nolasco Loureiro, atual presidente do Comitê da Cardiologia Pediátrica da Soperj, é fundamental unir esforços para alertar a população e profissionais da saúde sobre a importância da prevenção por meio do diagnóstico precoce. Isso evitaria situações como choque, acidose, parada cardíaca e agravo neurológico.

O Teste do Coraçãozinho (exame simples e indolor), que é lei em vários estados do Brasil (no Rio de Janeiro é lei desde 2001), deve ser realizado entre 24h e 48h de vida, antes da alta hospitalar. Este exame possibilita o pediatra suspeitar de cardiopatia grave. O ecocardiograma fetal também ajuda no diagnóstico precoce, ainda na fase intra-uterina.Os pediatras acreditam que, ao melhorar o diagnóstico destas cardiopatias, haverá uma redução na morbimortalidade infantil. É preciso estar alerta aos sinais da criança, tais como: cansaço excessivo, dificuldade no ganho de peso, pele arroxeada (cianose), infecções pulmonares de repetição, episódios de desmaios, coração acelerado, dor no peito ou irritabilidade frequente, para que não passem despercebidos.

O conselheiro Sidnei Ferreira representou o CREMERJ na passeata.