SES e Ministério da Saúde lançam material sobre febre amarela

16/01/2018


A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) criou um fluxograma de abordagem inicial de pacientes com suspeita de febre amarela. O material, voltado para profissionais de saúde, objetiva uniformizar o atendimento e facilitar o acompanhamento dos casos pelas vigilâncias epidemiológicas dos municípios.

O fluxograma estabelece ações como avaliação dos primeiros sintomas, prescrição de exames clínicos e laboratoriais e escolha de condutas terapêuticas. No site www.riocomsaude.rj.gov.br, é possível fazer o download do material e de outros documentos importantes para os profissionais da área.

Para a população, a SES lançou o site www.febreamarelarj.com.br, no qual é possível esclarecer as principais dúvidas.

Casos - Do início deste mês até o momento, foram confirmados quatro casos de febre amarela  no estado do Rio de Janeiro: três em Valença, sendo duas mortes, e um óbito em Teresópolis. Os casos registrados são do tipo silvestre, transmitido pelas espécies de mosquito Haemagogus e Sabeths, presentes em áreas de mata. Não há registro da forma urbana da doença, transmitida pelo Aedes aegypti.

Brasil - O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), retomou a produção de informes semanais sobre a situação da febre amarela no Brasil. Os boletins apresentam dados sobre vacinação e vigilância de casos humanos e de epizootias em primatas não humanos (PNH), além de outras informações relevantes sobre o assunto. Um guia específico para profissionais de saúde também está disponível no site.

Acesse os documentos:

Fluxograma SES: https://goo.gl/Ksf5uV

Guia para profissionais de Saúde: https://goo.gl/uoi6zH

 

Crédito da foto: Divulgação Agência Brasília