CRM lança Código de Ética do Estudante de Medicina

07/12/2017


CREMERJ lança Código de Ética do Estudante de Medicina

O presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, e demais representantes da entidade se reuniram com estudantes de medicina, diretores de universidades e a diretoria da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj) para celebrar, no dia 6 de dezembro, o lançamento do Código de Ética do Estudante de Medicina.

Para falar sobre os intensos estudos e as reuniões que deram origem ao Código de Ética, Nelson Nahon convidou para a mesa solene a representante dos estudantes de Medicina, Milenna Nascimento Couto; o representante dos professores, Thiago Mamede; o presidente da Amererj, Francisco de Assis Coelho; além dos conselheiros e grandes incentivadores do projeto Pablo Vazquez e Gil Simões.

"Hoje, a nossa reunião tem o intuito de lançar, oficialmente, o Código de Ética do Estudante de Medicina, que já está disponível no aplicativo e no site do CREMERJ. Esse é um trabalho já feito em outros estados brasileiros e serve como um guia de comportamento para os alunos", disse Nelson Nahon.

Os conselheiros Pablo Vazquez e Gil Simões participaram ativamente da produção da obra, desde as reuniões iniciais, e também congratularam os estudantes e as universidades. Segundo Vazquez, oCódigo de Ética do Estudante já existe em Brasília e São Paulo, além de outros países. Estimulado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que pretende confeccionar um guia nacional, o CREMERJ se uniu a estudantes de medicina, professores e universidades para alavancar o projeto no Rio de Janeiro. "O código deixa claro que o estudante de medicina tem uma especificidade muito grande em relação aos acadêmicos de outras áreas. Afinal, ele lida com o paciente, e esse relacionamento, em um momento de crise ética, política e financeira, pode provocar inúmeras deturpações, como já vimos. Agora, vamos caminhar para a produção do código estudantil para o Brasil e, mais uma vez, dar nossa contribuição para falar sobre algo tão importante: a ética", disse o conselheiro.

Representando os estudantes de medicina que fizeram parte do grupo à frente do Código de Ética, Milenna Nascimento Couto também agradeceu a ajuda de todos. "É com imensa alegria que recebo esse projeto finalizado. Todos sabem o quão árduo foi esse trabalho e o quanto estávamos ansiosos por esse momento. Agora, temos um objeto para ser estudado dentro das nossas universidades,onde o debate de conceitos como bioética, ética e cidadania é, infelizmente, defasado. Ganhamos um instrumento que nos norteia, e isso é crucial para nós, futuros médicos. Quero agradecer ao CREMERJ, por ter trazido essa discussão; à Amererj, por estar sempre presente; aos centros acadêmicos e aos docentes, que sempre estiveram por perto nos lapidando", agradeceu a estudante.

De acordo com o representante dos docentes de Medicina, Thiago Mamede, a produção do guia foi bastante proveitosa. "Tivemos discussões importantes sobre particularidades do que vem acontecendo no Rio de Janeiro, como a questão das greves estudantis e dos direitos conquistados pelos estudantes. Além disso, contemplamos a lei das novas diretrizes curriculares. Eu costumo dizer que o trabalho do professor é lapidar diamante. Isso não se faz com leveza, mas arranhando com força. Esse documento nos dá um caminho norteador para evitar exageros dentro desse processo", avaliou o professor.

O diretor da Faculdade de Medicina de Campos, Edilbert Pellegrini; o diretor do Centro Universitário Serra dos Orgãos (Unifeso), Manoel Antonio Pombo; e o diretor da Faculdade Metropolitana São Carlos (Famesc), Antonio Neves Norberg, a diretora da Escola de Medicina e Cirurgia, professora Maria Marta Tortori, também elogiaram a iniciativa e parabenizaram os alunos que participaram da elaboração do Código de Ética.

O vice-presidente e a tesoureira do CRM, Renato Graça e Erika Monteiro Reis, também estiveram presentes na celebração.