Hospital de Piedade: cirurgia oftalmológica enfrenta problemas

19/05/2016


O CREMERJ e a Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj) participaram, nessa sexta-feira, 13, de uma reunião com residentes do Hospital Municipal da Piedade. O encontro teve como objetivo apurar as denúncias de falta de equipamentos no serviço de oftalmologia. 

Outra reclamação recebida no CREMERJ foi a ausência de diálogo com a diretoria do hospital. “Estamos aqui para entender o que está acontecendo nessa unidade, que é referência nacional em oftalmologia. Sabemos que sem equipamentos não há condições de se fazer um atendimento de qualidade, o que desmotiva os profissionais e gestores”, disse Gil Simões, diretor e o coordenador da Comissão de Fiscalização (Cofis) do CREMERJ. 

Segundo o chefe da oftalmologia da unidade, Raphael Schumann, o pedido de compra de um novo aparelho – o principal utilizado em cirurgias de catarata – já foi feito várias vezes, mas sem retorno positivo. “Como gestor, estou desmotivado diante da falta de condições de trabalho. Porém, considero que o CREMERJ tem uma grande força para nos ajudar a melhorar essa situação. Acredito que se houver boa vontade dentro da Secretaria de Saúde, como já aconteceu em outras ocasiões, nós vamos conseguir esse equipamento e, assim, dar um bom atendimento aos pacientes e também contribuir ainda mais com a formação dos residentes”, explicou ele, que se propôs a continuar na chefia do serviço até que o problema seja resolvido.

Os residentes, Ícaro Silva Lopes e Luciana Telles, afirmaram que a parte clínica funciona de forma estruturada e com excelentes profissionais, apenas a área cirúrgica vem enfrentando problemas. “Nossa residência é em clínica cirúrgica e não estamos aprendendo nada por falta de material”, lamentou Luciana.

Presentes na reunião, os conselheiros do CRM, e também oftalmologistas, – Gilberto dos Passos e Sérgio Fernandes – reforçaram a importância do aparelho, chamado Faco, para o bom andamento do serviço. “Pela minha experiência como gestor, sugiro que a direção da unidade deva comprar o equipamento o mais rápido possível. E, além disso, contratar um profissional especializado em cirurgia para estar aqui por dois dias na semana”,  aconselhou Gilberto.

Sérgio Fernandes ainda acrescentou que o aparelho pode ajudar em outros tratamentos, além catarata. “A cirurgia oftalmológica é o grande atrativo da nossa especialidade. Ninguém quer, e deve, se arriscar trabalhando com um equipamento quebrado. Com o serviço mais bem estruturado, novos profissionais e mais pacientes aparecerão”, disse Sérgio.

O diretor da unidade, Sérgio Adeodato, concordou com a necessidade do equipamento, já que a especialidade requer constante modernização. “Atualmente não dispomos de verba para a compra, apenas para a manutenção dos equipamentos. Estou à disposição para um possível encontro com o secretário de Saúde para tentarmos resolver definitivamente essa questão”, disse ele, que dirige o hospital há quatro anos.

Gil Simões encerrou o encontro reforçando que o próximo passo será o agendamento de uma reunião entre a Secretaria, o CREMERJ e representantes do Hospital Municipal da Piedade. “A função do Conselho é exatamente ajudar politicamente as unidades a progredir, proporcionando dessa forma um atendimento de qualidade e formação adequada aos residentes”, concluiu. 

Também participou da reunião a diretora da Amererj Layla Bezerra.