Medicina de Emergência é tema de palestra no CREMERJ

17/03/2016


O reconhecimento da medicina de emergência como especialidade e os programas de formação de residência médica e especialização foram tema de uma reunião promovida nessa terça-feira, 15, na sede do CREMERJ. O evento, organizado pela Câmara Técnica de Urgência e Emergência do CREMERJ, teve como palestrante o presidente da Associação Brasileira de Medicina de Emergência (Abramede) e conselheiro do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul Luiz Alexandre Alegretti Borges. Representantes das principais unidades hospitalares públicas e privadas do Rio de Janeiro participaram do encontro.

O coordenador da Câmara Técnica, conselheiro Aloísio Tibiriçá, abriu o evento lembrando que o reconhecimento da medicina de emergência como especialidade foi uma bandeira defendida pelo grupo durante anos. A ação do CREMERJ em relação ao tema gerou já em 1996 a Resolução CREMERJ nº 100 – que estabelece normas mínimas para o atendimento de urgência e emergência no Estado do Rio de Janeiro – e, posteriormente, uma série de recomendações.

“A Resolução 100 foi pioneira e serviu de parâmetro para o Ministério da Saúde aplicar mudanças nas emergências dos hospitais federais do Rio de Janeiro. Em 2000, houve o lançamento da recomendação do CREMERJ sobre a área. Ela serviu como diretriz para sistematizar os trabalhos nos prontos socorros e também na luta pela regulamentação da especialidade de emergencista”, explicou Tibiriçá.

Na sequência, o presidente da Abramede iniciou sua palestra apresentando um panorama sobre a medicina de emergência no Brasil e no mundo e mostrou estudos que apontam os benefícios da especialização nesta área. 

“O médico emergencista com formação e titulação reduz a mortalidade, custos e a superlotação nas unidades de saúde, porque este profissional está capacitado para tomar decisões seguras nos critérios de internação e de alta, além de priorizar o atendimento, o fluxo dos pacientes e da atuação médica nas emergências”, explicou. 

Luiz Alexandre Alegretti também explanou sobre o conteúdo programático da Residência Médica em Medicina de Emergência, proposto nacionalmente. De acordo com ele, o Ministério da Educação (MEC) e a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) credenciaram, este ano, 24 novos programas de residência na área em todo o país. A formação tem duração mínima de três anos e é dividida em especialidade adulta e pediátrica. No Rio de Janeiro, este ano, foi credenciada a área de atuação em pediatria no Hospital Geral de Nova Iguaçu.

“A efetivação das residências é fundamental e favorecerá os médicos que já atuam na área e especialmente os pacientes, que contarão com uma equipe qualificada em um momento tão importante e definitivo em sua vida”, enfatizou o palestrante, que abriu espaço para os presentes tirarem dúvidas e acrescentarem mais informações sobre o tema debatido.

A diretora do CREMERJ Erika Reis, que também coordena o GTE, encerrou o evento falando sobre a importância do reconhecimento da medicina de emergência como especialidade e, agora, o credenciamento das residências e a formação da sociedade de especialidade. 

“O próximo passo é fazer com que essa especialização seja colocada em prática e que ela crie uma visão diferente da emergência, tanto para os profissionais quanto para a população”, ressaltou. 

O encontro teve ainda a participação do presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez, e do diretor Gil Simões. Na ocasião, Vazquez destacou as atividades do Grupo de Emergência e da Câmara Técnica para as conquistas na área da medicina de emergência. “Ficamos satisfeitos porque ações de um grupo de trabalho do CREMERJ foram o ponto de partida para uma mudança tão significativa na nossa profissão”, concluiu.

Homenagem ao médico Fernando Suarez

Ao final do evento, foi realizada uma homenagem ao membro da Câmara Técnica de Urgência e Emergência e comandante do 1º Grupamento de Socorro de Emergência (GSE) do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, coronel médico Fernando Suarez que está se aposentando, depois de 30 anos de serviço público. Suarez foi um dos fundadores do Grupo de Emergência do CRM e participou ativamente de ações de qualificação da área. 

O presidente do Conselho Pablo Vazquez iniciou seu discurso parabenizando Suarez por toda sua dedicação e ética no exercício da medicina, além de sua grande colaboração junto ao CREMERJ. A celebração foi marcada pela entrega da placa, que foi lida pela diretora Erika Reis. 

"Fiquei muito lisonjeado ao receber esta homenagem do CREMERJ e ter  meu trabalho reconhecido. Agora começa uma nova jornada, mas saibam que sempre poderão contar comigo. Aqui é a minha casa!”, declarou Suarez.