Hospital Darcy Vargas sofre com falta de recursos humanos

23/12/2015


Os diretores do CREMERJ Nelson Nahon e Gil Simões participaram nessa segunda-feira, 21, de uma reunião com médicos do Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV), localizado em Rio Bonito, para denunciar problemas ocasionados pela falta de repasses e de recursos humanos na unidade.

Participaram da reunião o diretor técnico da unidade, Pedro Geraldo Pinheiro; o presidente da entidade filantrópica que gere o hospital, Silvino Flores; e a coordenadora geral do HRDV, Vera Lúcia Evangelho.

Na ocasião, Pedro Geraldo Pinheiro relatou que o serviço de urgência e emergência da unidade, que é referência para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região e outros municípios vizinhos, conta somente com um cirurgião geral, um clínico, um pediatra, um obstetra e um anestesista, contrariando a resolução 100 do CREMERJ, que diz respeito às normas mínimas para o atendimento de urgências e emergências.

De acordo com o diretor técnico, o caso foi levado ao secretário de Saúde de Rio Bonito, Anselmo Ximenes, que afirmou estar impossibilitado de resolver o problema, pois a secretaria não possui recursos financeiros. 

Outro ponto discutido foi o serviço de oncologia da unidade. Segundo o presidente da entidade filantrópica, estão ocorrendo sucessivos atrasos nos repasses feitos pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), o que compromete a aquisição de medicamentos e materiais para as cirurgias e quimioterapias realizadas pelo setor. 

“Atualmente atendemos cerca de 600 pacientes de municípios vizinhos em tratamento e realizamos, em média, 15 cirurgias de alta complexidade por mês. A suspensão do tratamento seria uma grande perda para os pacientes que dependem do serviço”, lastimou Silvino Flores.

O conselheiro Gil Simões declarou que o repasse insuficiente e com atrasos constantes coloca os médicos e a população em situação de risco. “Vamos solicitar esclarecimentos à Secretaria Municipal de Saúde e anexos aos protocolos no processo em andamento no Ministério Público”, adiantou. 

Ao fim, os diretores solicitaram uma nova visita da fiscalização do CREMERJ para verificar as condições da unidade.