Entidades médicas debatem principais problemas da saúde do RJ

10/11/2015


O CREMERJ e o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ) participaram de reunião nessa segunda-feira, 9, com promotores do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Saúde do Ministério Público (MP), na sede da promotoria. No encontro, foram debatidos os principais problemas da saúde do Estado, como a precariedade dos vínculos empregatícios nas unidades médicas. O diálogo resultou em um acordo de colaboração, em que as entidades fornecerão dados que possam ajudar nos processos em andamento no MP.

Matérias jornalísticas divulgaram que determinadas unidades públicas e privadas ofereciam vagas em plantões pela rede social, o que não é recomendado e pode não ser seguro. O presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez, informou que o assunto tem sido debatido em reuniões da diretoria do Conselho.

“Hoje existe uma grande fragilidade de vínculos empregatícios nos hospitais, muito por conta de questões salariais e condições de trabalho. Precisamos garantir qualidade na assistência médica”, declarou Vazquez. 

A promotora Denise Vidal, coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Saúde, informou que avalia a possibilidade de recomendar uma auditoria nos contratos das empresas terceirizadas que prestam serviço para o Estado. Outra questão é solicitar ao governo municipal e estadual informações sobre a forma de controle de contratação dessas empresas. 

Além da questão dos plantões, foram discutidos os problemas do sistema de regulação do Estado, a necessidade de realização de concurso para novos médicos, a terceirização nos hospitais, a situação de Teresópolis e de outros municípios, além da assistência médica aos presidiários, tanto nas penitenciárias como nas unidades de saúde. 

Também participaram da reunião o diretor do CREMERJ Carlos Enaldo de Araújo; o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze; e o secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato, Ronaldo Alves da Costa.