Cocem: oito comissões de ética médica tomam posse

10/09/2015


Oito comissões de ética médica tomaram posse durante a reunião da Coordenação das Comissões de Ética Médica (Cocem) do CREMERJ, nesta terça-feira, 8, no auditório Júlio Sanderson. As unidades participantes foram: Policlínica Naval de Niterói, Hospital Universitário Antônio Pedro, Hospital Estadual Azevedo Lima, Hospital do Câncer IV, Centro Municipal de Reabilitação do Engenho de Dentro, Hospital Padre Miguel, Hospital Federal do Andaraí e Hospital do Amparo.
 
Na abertura, o secretário-geral do CREMERJ, Serafim Borges, deu os informes, citando a retomada do programa Linha de Cuidados do Infarto Agudo do Miocárdio no Estado do Rio de Janeiro e a reunião promovida pelo Conselho que identificou a necessidade de porta de saída para os pacientes que sofreram infarto após terem a primeira assistência nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).
 
Na sequência, o corregedor do CREMERJ, Renato Graça, apresentou a palestra “Exame de ordem na medicina”, assunto que vem sendo abordado pela imprensa. Segundo ele, uma pesquisa publicada em julho pelo Datafolha mostrou que 94% dos brasileiros são favoráveis ao exame de ordem para médicos e engenheiros.
 
Renato Graça fez um comparativo com o exame aplicado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) desde 1994. De acordo com ele, o teste passou a ser realizado para comprovar a capacidade do bacharel em direito no exercício da profissão, após a abertura deliberada de faculdades na área no país. No entanto, a ação não reduziu a quantidade, pelo contrário, o número de escolas continuou crescendo.
 
Para o corregedor, na medicina, não será diferente. Ele apontou os principais equívocos do exame de ordem, sendo um deles o fato de avaliar apenas o recém-formado, excluindo as escolas médicas e o corpo docente desse processo. “É preciso investir em professores com mestrado e doutorado. Também não consideramos justo dizer para esse médico, depois de formado, que a formação que ele recebeu não era boa. Sabemos que a população merece um atendimento de qualidade e, neste aspecto, defendemos o Teste de Progresso, que é realizado ao longo da formação”, afirmou.
 
Além disso, para o palestrante, é importante investir em ações que envolvam alunos, professores e faculdades; e notificar as escolas médicas mal avaliadas para que haja melhorias ou fechá-las se não houver avanços.
 
“Entendemos que o exame de ordem não diminui o número de escolas médicas nem melhora a qualidade do aluno. A Associação Brasileira de Educação Médica (Abem) preconiza a aplicação do teste anualmente. Ela já realiza isso de forma experimental em algumas instituições de ensino do país. A Lei 12.871/2013, que instituiu o Mais Médicos, também prevê a realização de um teste para mensurar o aprendizado do aluno, que deverá ser aplicado a cada dois anos”, destacou.
 
A diretora do CREMERJ Erika Reis ainda lembrou que o Conselho Federal de Medicina (CFM) formou uma comissão para tratar de questões relacionadas à acreditação de escolas médicas.
 
Após a palestra, os representantes das comissões de ética médica falaram sobre a greve que vem ocorrendo nos hospitais federais. De todos os presentes, uma das situações mais críticas foi identificada no Cardoso Fontes, que teve o número de atendimentos reduzido em razão da paralisação. Já uma médica perita do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) informou que a categoria iniciou uma greve no último dia 4, sem data prevista para término, depois de suas reivindicações não terem sido consideradas.
 
O conselheiro Armindo Fernando da Costa também participou da reunião.
 
Confira abaixo as comissões recém-empossadas, cujos mandatos seguem até setembro de 2018:
 
POLICLÍNICA NAVAL DE NITERÓI: membros eleitos para o primeiro mandato:
Efetivos: Guilherme Paz Senna de Azeredo e Carlos Eduardo Ferreira Magalhães
Suplentes: Thiago Carvalho do Amaral e Guy Franco da Silva
 
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO: membros eleitos para o terceiro mandato:
Efetivos: Alfredo Jorge Vasconcellos Duarte, Lisieux Eyer de Jesus, Luciano Antônio Marcolino e Modestino José Povoas de Salles
Suplentes: Mônica Kopschitz Praxedes Lusis, Ronaldo Altenburg Odebrecht Curi Gismondi, Manoel Fernando de Oliveira Rodrigues e Eduardo Nani Silva
 
HOSPITAL ESTADUAL AZEVEDO LIMA - membros eleitos para o quarto mandato:
Efetivos: Yara Maria Moura Batista Pereira Serra Lima, Carlos Malvone Garcia de Santana, José Hipólito de Godoy e Oliveira e Maria Claudia da Silva Souza Fanara
Suplentes: Maurício de Figueiredo Nocchi, Márcia Bessa Ramos, Ulisses de Oliveira Melo e Daniela Hlebetz Teixeira
 
HOSPITAL DO CÂNCER IV - membros eleitos para o terceiro mandato:
Efetivos: Carlos Henrique Debenedito Silva e Pedro Luiz Fernandes
Suplentes: Luciana de Oliveira Ramadas Rodrigues e Marisa de Fátima Bello Costa Moreira
 
CENTRO MUNICIPAL DE REABILITAÇÃO DO ENGENHO DE DENTRO - membros eleitos para o primeiro mandato:
Efetivos: Juliana da Silveira Pies e Márcia Duarte Boente
Suplente: Rosângela de Andrada Pereira
 
HOSPITAL PADRE MIGUEL - Membros eleitos para o primeiro mandato:
Efetivos: Amanda Aparecida Cardoso Felix, Ricardo do Carmo Bastos e Renata Barreto Marques
Suplentes: Priscila Mazucanti Rossi, Rodrigo Meneses Nunes Vitorino e Márcia da Cunha dos Reis
 
HOSPITAL FEDERAL DO ANDARAÍ - membros eleitos para o oitavo mandato:
Efetivos: Silvino Frazão Matos, Antônio Carlos Mendes Tavares Seda, Lilian Helena Dias e Carlos Gustavo Favre Drummond
Suplentes: Denise Pepe Ribeiro Junqueira, Geraldo Ventura Chedid, Luiz Felipe Carvalho Matos e Guilherme Nahoum Pinheiro
 
HOSPITAL DO AMPARO - membros eleitos para o terceiro mandato:
Efetivos: Tatiana Silva Dantas, Teresa Cristina Vivas Navarro e Percival da Costa e Silva
Suplentes: David Szpacenkopf, Luiz Felipe Fernandes Osório e Samira Prata da Silva e Silva