Peritos se reúnem com entidades médicas para avaliar movimento

28/07/2014


Médicos peritos do município do Rio de Janeiro avaliaram o movimento em uma reunião nessa sexta-feira, 25, que contou com a participação de representantes do CREMERJ e do Sinmed-RJ. Os colegas relataram que a paralisação de três dias, realizada de segunda a quarta, teve adesão total dos peritos e recebeu o apoio dos servidores que seriam atendidos.

“Tivemos o cuidado de explicar aos servidores o motivo da paralisação e eles nos apoiaram, o que certamente fortaleceu o movimento. Infelizmente, não recebemos a mesma atenção da Secretaria Municipal de Administração (SMA), pois, em nenhum momento, ela nos procurou para uma negociação. Foi um verdadeiro descaso e há, sim, chance de novas paralisações”, declarou o perito Márcio Dionysio.

Na ocasião, os peritos relembraram as principais reivindicações do movimento, que são concurso público com salários dignos e condições adequadas de trabalho. Atualmente, são 30 peritos, sendo 25 no atendimento e cinco na gerência. O salário-base do grupo é de R$ 933,67, chegando a cerca de R$ 1.300 se contar com insalubridade e triênios.

Na quinta-feira, 24, quando a perícia retomou as suas atividades, foram realizados cerca de 650 atendimentos. No dia seguinte, esse número ficou em torno de 400.

As entidades médicas chamaram a atenção para uma tentativa da SMA de prejudicar o movimento, publicando a Resolução 1.911 no dia 22 de julho, ampliando de três para 10 dias a licença do servidor sem precisar passar pela perícia. No entanto, segundo avaliação da assessoria jurídica do Sinmed-RJ, a Resolução é irregular, pois contradiz o decreto de nº 25.540, de 12 de julho de 2005, que está em vigor e estabelece o prazo de três dias.

“O CREMERJ continuará apoiando os médicos peritos, porque a causa deles é justa e ética, e isso é indiscutível. Os salários são baixos, as condições de trabalho são inadequadas e faltam recursos humanos. Estamos acompanhando esse grupo e a SMA já fez várias promessas, porém não dá uma resposta concreta”, declarou o diretor do CREMERJ Gil Simões.

Os peritos marcaram uma assembleia geral para o dia 4 de agosto, às 16h30, no auditório do Sinmed-RJ, para decidir os próximos passos do movimento. O CREMERJ também deverá agendar uma fiscalização nas instalações da perícia.

A diretora do Conselho Erika Reis e o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze, também participaram da reunião.