Médicos federais avaliam o movimento em assembleia

11/06/2014


Membros dos comandos de greve, o CREMERJ e o Sinmed-RJ se reuniram, em assembleia, nessa segunda-feira, 9, para avaliar o movimento. As entidades médicas iniciaram os trabalhos com informes sobre a agenda em Brasília, realizada na semana passada, que contou com a participação de uma delegação de médicos do Rio de Janeiro e de outros Estados, além de alguns parlamentares. Na ocasião, ocorreram audiências sobre o programa “Mais Médicos” e o sucateamento dos hospitais federais.

Em Brasília, a categoria também se reuniu com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, para debater sobre a normalização da gratificação por desempenho dos médicos federais. No encontro, ele disse que precisava dialogar com o Ministério do Planejamento e que daria uma resposta às entidades até essa segunda-feira.

Enquanto a assembleia acontecia, o retorno chegou por meio de um contato do secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Fausto dos Santos. Segundo ele, a pasta trabalhou o dia todo com o Planejamento em busca de uma solução e que uma das possibilidades é que as gratificações sejam incluídas no orçamento de 2015. Porém, de acordo com Fausto, ainda se avalia uma melhor maneira para resolver o problema.

Para o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira, as atividades promovidas em Brasília trouxeram um resultado positivo para o movimento.

"Na audiência sobre os hospitais federais, nós tivemos a oportunidade de denunciar uma série de absurdos que têm ocorrido nas unidades do Rio, além da questão grave sobre a gratificação dos médicos federais. Já na reunião com o ministro, ele não deu nenhuma resposta, o que foi decepcionante. A novidade é que passamos a contar com o apoio de alguns parlamentares e, agora, tivemos um retorno. Mas não é o suficiente, temos que continuar a nossa luta", afirmou.

Já o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze, deu informes sobre  a liminar de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o sindicato devido à greve. A decisão determina o retorno das atividades essenciais, porém, em nenhum momento, elas foram paralisadas. O departamento jurídico do Sinmed-RJ apresentará recurso na Justiça com o objetivo de cassar a liminar.

Na assembleia, a categoria decidiu pelo prosseguimento da greve e deu liberdade para que os médicos federais avaliem e definam se darão continuidade ou não ao movimento em suas unidades.

Os diretores do CREMERJ Nelson Nahon e Pablo Vazquez também compareceram à reunião.