Albert Schweitzer: SES diz que setor de otorrino vai continuar

21/05/2014


A subsecretária de Unidades Próprias da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Ana Lucia Eiras, garantiu que o Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Albert Schweitzer não será fechado. A afirmação foi feita por ela em reunião, nessa terça-feira, 20, na sede da Secretaria. O encontro contou com a presença de representantes do CREMERJ e de médicos representantes do serviço.

Na reunião, a SES propôs aos estatutários – de todos os serviços da unidade – a equiparação salarial aos médicos da Fundação Estatal de Saúde, sendo mantidos os direitos trabalhistas, assim como a permanência no Albert Schweitzer dos que não optarem pelo vínculo com a Organização Social (OS), que, atualmente, está gerindo o hospital.

Com relação ao Serviço de Otorrinolaringologia, de acordo com os médicos, com apenas seis otorrinos, o setor presta cerca de 360 atendimentos de emergência na área por mês.

Na reunião, a diretora do CREMERJ Erika Reis ressaltou a importância desse serviço para a população da Zona Oeste.

“O Hospital Albert Schweitzer é referência em uma região da cidade do Rio de Janeiro que tem mais de 1 milhão de habitantes. Os colegas vêm realizando esse trabalho com excelência, apesar das dificuldades encontradas no hospital, devido à equipe reduzida e à falta de material adequado. Esse serviço não pode fechar as portas”, afirmou.

O diretor do CREMERJ Gil Simões também participou da reunião, que foi agendada pela própria Secretaria em resposta à ligação do presidente do Conselho, Sidnei Ferreira, ao secretário estadual de Saúde, Marcos Musafir, na quinta-feira, 15.