Médicos promovem ato público no Dia Mundial da Saúde

07/04/2014


Cerca de 500 pessoas, entre médicos, representantes do CREMERJ e do Sinmed-RJ, residentes, acadêmicos e membros da sociedade civil, participaram de uma manifestação em defesa da saúde pública e por melhorias na saúde suplementar, nesta segunda-feira, 7 – Dia Mundial da Saúde –, no Centro do Rio de Janeiro. Os manifestantes se concentraram na Cinelândia e seguiram até a Rua México – em frente ao Núcleo Estadual do Ministério da Saúde (Nerj). O ato marcou o Dia Nacional de Luta pela Saúde, promovido por entidades médicas de todo o país.

Com faixas e cartazes, alguns com fotografias que denunciavam a superlotação das unidades e as péssimas condições de trabalho, os médicos protestaram contra a falta de concurso público, de salários dignos, de um plano de cargos, carreira e vencimentos e de um atendimento de qualidade à população, repudiando a terceirização de hospitais e universidades. A categoria também reivindicou condições adequadas de trabalho, valorização da residência e ensino qualificado.

O presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira, criticou a ausência de um planejamento para a saúde por parte do governo federal. Segundo ele, no Rio de Janeiro, há uma grande carência de leitos de UTI, de mais de uma centena por dia.

“Apesar disso, o que vemos é o governo fechando leitos, serviços e hospitais, e isso acontece nas três esferas. Já nos reunimos com o secretário de Saúde do município, estado, com o coordenador do Nerj e com o ministro da Saúde, mas ainda não nos apresentaram uma solução. Temos várias ações na Justiça e denúncias nos Ministérios Públicos. Não há controle social dos gastos, e o médico não é culpado pelo caos que está a saúde, pelo contrário, sofre com a população”, disse Sidnei, que ainda afirmou que o ato público oficializou a agenda de lutas deste ano do movimento em defesa da saúde.

Sidnei Ferreira também repudiou a abertura indiscriminada de escolas de medicina e citou a importância de se investir na residência médica.

O ato público contou com a presença do vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Aloísio Tibiriçá – também conselheiro do CREMERJ –; da coordenadora da Comissão de Saúde Suplementar do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo; da presidente da Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), Beatriz Costa; do presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze; do presidente da Associação de Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), Diego Puccini; do presidente da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), José Ramon Blanco; de membros das sociedades de especialidade; do vereador e membro da Comissão de Saúde da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Paulo Pinheiro; do deputado estadual Paulo Ramos; e de representantes de outras entidades de classe, como de odontologia e enfermagem, e estudantis.