Salgado Filho: juiz nega liminar para contratação de médicos

28/02/2014


A Justiça Federal negou um pedido de liminar, numa ação civil pública movida pelo CREMERJ contra a Prefeitura do Rio, que requeria a contratação emergencial de médicos para o Hospital Municipal Salgado Filho. Em seu despacho, nessa terça-feira, 25, o juiz Bruno Otero Nery, da 7ª Vara Federal, alega que a carência de recursos humanos no setor público não é exclusividade da área médica.

“Há notória carência de policiais, professores, enfermeiros, juízes, para citar apenas algumas categorias”, afirma. “Portanto, é certo que o deferimento apressado da tutela antecipada imporia um gasto incalculável aos cofres municipais”, completa o juiz, para em seguida determinar que o município seja citado para apresentar uma resposta.

“Respeitamos o raciocínio do juiz, mas o meu raciocínio de cidadão e de médico é que a contratação de médicos para uma emergência não pode esperar. Sem médico, morre gente que não deveria morrer. E isso vem acontecendo. As demais profissões não são menos importantes, mas a contratação de médicos é questão de vida ou morte”, afirmou o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.

Na quinta-feira, 27, uma reportagem do jornal EXTRA revelou que, nas oito primeiras semanas do ano, pelo menos quatro boletins de ocorrência foram registrados por médicos clínicos na 23ª Delegacia de Polícia (Méier) para comunicar o fato de estarem sozinhos na emergência do Salgado Filho. Segundo a matéria, eles buscam se resguardar de um possível processo por omissão de socorro. O problema vem se repetindo aos domingos, quando a escala do plantão divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde traz o nome de dois clínicos.


Com informações do Jornal Extra