CREMERJ reafirma apoio à luta dos médicos aposentados

29/01/2014


Em reunião nessa segunda-feira, 27, no auditório Júlio Sanderson, a diretoria do CREMERJ reafirmou apoio à luta dos médicos aposentados contra os baixos salários e a falta de reajuste salarial. No encontro, médicos inativos pelo Estado disseram que, além de reduzidos, os vencimentos tiveram aumentos insignificantes no decorrer dos últimos anos. Segundo eles, em 2005, o salário total do médico estatutário aposentado era R$ 1.670,00 e, agora, está na faixa de R$ 1.690,00.
 
Segundo o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira, o novo secretário estadual de Saúde, Marcos Musafir, informou que o governador Sérgio Cabral assinou um projeto de lei que prevê a incorporação da Gratificação de Encargos Especiais de Lotação, Exercício e Desempenho (Geeled), que beneficiará servidores públicos ativos e inativos, e de triênios. O projeto de lei será encaminhado para votação do Legislativo assim que terminar o recesso parlamentar, com recomendação de prioridade.

“Apesar disso, essas medidas não reparam as injustiças praticadas há décadas contra aposentados e ativos. É preciso reestruturar a carreira com um reajuste real e um plano de cargos, carreira e vencimentos”, afirmou. 

Sidnei Ferreira também falou sobre duas reuniões entre as assessorias jurídicas do CREMERJ e do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ) para estudar meios judiciais que beneficiem os aposentados. Um novo encontro entre os setores acontecerá ainda esta semana.
 
“Com relação ao movimento, o Conselho está aqui para apoiar, mobilizando os colegas e pressionando politicamente. O governo federal não tem um plano para a saúde e estamos lutando, na verdade, contra os Três Poderes. Apesar das dificuldades, não vamos deixar de lutar por melhores salários para os médicos ativos e inativos”, declarou.
 
As propostas sugeridas pelos médicos durante o encontro foram: criação de três comissões de saúde para atuar em cada esfera – federal, estadual e municipal –; mobilização nas ruas; ações jurídicas; e divulgação na imprensa e nas redes sociais.
 
Os participantes decidiram realizar uma nova reunião com a presença das entidades médicas e de outros colegas para definir os próximos passos do movimento. Na assembleia, os aposentados também receberam orientação jurídica sobre o caso.

Participaram do encontro, os conselheiros Pablo Vazquez, Nelson Nahon, Marília de Abreu e Armindo Fernando da Costa; o presidente da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), Diego Puccini; e o secretário-geral da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), Glauco Barbieri.