Atendimento em grandes eventos é debatido no CREMERJ

27/11/2013



Atento ao crescente número de atividades esportivas e religiosas, festivais e espetáculos nacionais e internacionais que ocorreram e que serão realizados no Rio de Janeiro nos próximos anos, o CREMERJ promoveu uma reunião com médicos diretores técnicos de empresas que atuam no atendimento de saúde em grandes eventos e com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (Cbmerj). Embora tenham sido convidadas, as Vigilâncias Sanitárias, estadual e municipal, que também participam da fiscalização dos eventos, não compareceram.

Ao abrir o encontro, o presidente do Conselho, Sidnei Ferreira, falou sobre a crítica situação da saúde no Estado, alertando que o encontro era uma oportunidade de todos os envolvidos nos eventos esclarecerem dúvidas e, juntos, melhorarem a organização para garantir a segurança da população.

"Temos visitado as unidades de saúde e os cenários se repetem, com falta de recursos humanos, de equipamentos e materiais. Sabemos que 99% das ocorrências nos eventos podem ser resolvidas no local, nas unidades móveis, por isso estamos aqui, para que possamos atuar na prevenção, cada um fazendo a sua parte e trabalhando para assegurar que o público tenha segurança e seja bem assistido."

Comandante do 1º Grupamento de Socorro de Emergência (GSE) do Cbmerj, o coronel médico Fernando Suarez frisou que o Corpo de Bombeiros faz as fiscalizações baseado na resolução 80 da Secretaria de Estado e Defesa Civil (Sesdec-RJ), que orienta e fornece diretrizes para a análise do GSE.

"Entre maio e outubro deste ano, recebemos mais de 1.500 Fichas de Avaliação de Risco em Eventos (Fares), de todo o Estado, e temos atuado em praticamente todos, muitas vezes mais de um dia no mesmo evento. Sempre trabalhamos buscando evitar que as irregularidades possam trazer prejuízos ao público. Por isso é fundamental que as empresas que prestam os serviços de saúde obedeçam à legislação."

A maioria dos médicos diretores técnicos das empresas que participaram da reunião salientou a falta de compromisso e responsabilidade dos produtores no fornecimento da infraestrutura para as unidades móveis de atendimento. Muitos deles, inclusive, relataram terem abandonado os eventos ao constatar, na chegada para a montagem dos postos de atendimento, que não teriam condições de exercer suas atividades com ética, segurança e qualidade.

"O Cbmerj está à disposição de todos, mas é imprescindível que os colegas estejam conscientes de que tudo precisa ser feito conforme as determinações legais vigentes. Qualquer problema deve ser imediata e oficialmente informado aos órgãos competentes, ou seja, ao Corpo de Bombeiros, ao CREMERJ e à polícia. Não sintam-se intimidados, porque devemos preservar a nossa ética como médicos", ressaltou o vice-presidente do Conselho, Nelson Nahon, que também é coordenador da Comissão de Fiscalização.

Ao encerrar o encontro, Sidnei Ferreira afirmou que outras reuniões seriam promovidas, para as quais as Vigilâncias Sanitárias seriam novamente convidadas.

Os conselheiros Erika Reis e Pablo  Vazquez também participaram do evento.