CRM marca manifestação após situação piorar no Salgado Filho

06/08/2013


Uma comissão do CREMERJ esteve nesta segunda-feira, 5, no Hospital Municipal Salgado Filho e constatou irregularidades como a superlotação e o déficit de recursos humanos. Os conselheiros Pablo Vazquez, Erika Reis e Nelson Nahon visitaram a emergência da unidade, acompanhados por membros da Comissão de Ética do hospital, e averiguaram que a situação continua caótica. 

Devido à falta de médicos, duas enfermarias foram fechadas. O déficit de clínicos gerais e de neurocirurgiões é o que mais preocupa, segundo colegas do Salgado Filho. Na unidade, foi constatado que precisa-se de 22 clínicos e oito neurocirurgiões para que o trabalho médico seja realizado com qualidade e segurança. 

Os colegas também criticaram o Sistema de Regulação de Vagas (Sisreg), que, segundo eles, tem se mostrado insuficiente. De acordo com os médicos, frequentemente, o Sisreg envia para o Salgado Filho pacientes fora do perfil da unidade, sobrecarregando ainda mais a situação no hospital.

Desde o início do ano, o CREMERJ esteve mais de cinco vezes no Salgado Filho. Em busca de uma solução, o Conselho se reuniu com o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, e pediu uma atenção especial à unidade, mas, infelizmente, as condições só pioraram. Em função desse descaso, o CREMERJ promoverá um ato público no dia 14 (quarta-feira), às 10h, em frente à emergência do Salgado Filho, e convida os colegas e também a população para participarem dessa manifestação em defesa da saúde. 

“Não é de hoje que denunciamos o caos que está o Salgado Filho. Essa visita só confirmou o abandono desse hospital, o que nos deixa indignados. A falta de recursos humanos nessa unidade é grave, expondo os colegas. Os médicos estão trabalhando em péssimas condições e o atendimento à população está sendo precário”, declarou Nelson Nahon.