Ausência de leitos no estado sobrecarrega Azevedo Lima

03/06/2013


O CREMERJ, representado pelos conselheiros Nelson Nahon, Alkamir Issa e Erika Reis, realizou uma visita técnica, nessa terça-feira, 29, na maternidade do Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói, e constatou a superlotação da unidade, principalmente em consequência do déficit de leitos em toda a região metropolitana II. O hospital atende em média 70 pacientes diariamente e realiza 450 internações por mês, sendo 350 para procedimentos.

Uma estatística realizada pela direção da maternidade revela que 55% dos pacientes são de Niterói, 35% de São Gonçalo, 6% de Maricá e Itaboraí, 1% do Rio de Janeiro e o restante de outros municípios. De janeiro a abril deste ano, foram atendidos 7.806 pacientes, enquanto que no mesmo período em 2012 foram 6.008 pessoas assistidas.

A unidade, que é focada em atendimentos de média e alta complexidade, funciona com vínculos diferentes, sendo estatutários, “fundacionistas” – da Fundação Saúde – e temporários – da Fiotec.

Há carência de pediatras, principalmente na UI e na UTI neonatal, além do déficit de obstetras em alguns plantões. O Conselho também constatou a dificuldade para transferir pacientes para outros hospitais, o que reduziria a superlotação na maternidade. Outro problema é a carência de insumos na unidade.

“A falta de leitos é um problema em todo o Rio de Janeiro, mas se agrava nessa região. Serviços vêm sendo desativados com várias desculpas, sem reposição, sobrecarregando outras unidades. O déficit de recursos humanos é outra situação que muito nos preocupa. O CREMERJ continuará chamando a atenção das autoridades para o caos que está a saúde pública nessa localidade, porque a população merece um atendimento digno”, declarou Nahon.