CREMERJ participa de simpósio que marca a abertura do IEC

31/05/2013


A presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo, participou nesta sexta-feira, 31, do Simpósio de Abertura do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, que começará a funcionar no dia 24 de junho, por meio do sistema de regulação de vagas do estado. Durante o evento, Paulo Niemeyer Filho, neurocirurgião e diretor técnico da unidade, apresentou imagens do período das obras e destacou a contribuição de seu pai, Paulo Niemeyer, para a neurocirurgia.

Vários convidados também homenagearam Paulo Niemeyer, entre eles, Antônio Guasti, que foi residente do neurocirurgião; Daniel Cavalcanti, que leu uma carta em nome da World Federation of Neurosurgical Societies Foundation; e o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, que, além de valorizar os feitos de Niemeyer, elogiou o comprometimento e a competência de Paulo Niemeyer Filho, que esteve à frente de todo o projeto, definido por ele como “um grande centro de alta complexidade da neurocirurgia”.

Além de Márcia Rosa, Sérgio Côrtes e Paulo Niemeyer Filho, participaram da mesa de abertura o presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Sebastião Gusmão; o presidente da Sociedade de Neurocirurgia do Rio de Janeiro, Eduardo Barreto; o presidente da Academia Brasileira de Neurocirurgia, Albedy Moreira Bastos; e a subsecretária estadual de Unidades Próprias, Ana Lúcia Eiras.

“É com satisfação que participo desse evento. Estamos em um momento em que temos visto muitos serviços e até hospitais sendo fechados no Rio de Janeiro, por isso é bom saber que um centro de excelência está sendo implantado para atender a população de todo o estado”, declarou a presidente do CREMERJ.

O Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IEC) fica no antigo prédio do Instituto Nacional de Trauma e Ortopedia (Into), na Rua do Rezende – Centro do Rio. Com quatro andares, o IEC possui 44 leitos de UTI, salas cirúrgicas comuns e inteligentes – com equipamentos capazes de transmitir o procedimento para qualquer parte do mundo –, área de hemodinâmica; salas de enfermagem, serviço ambulatorial, complexo para diagnóstico e tratamento de pacientes com epilepsia, centro de imagem e salas de visita em cada pavimento.

“Queremos que esse instituto seja formador de novos especialistas. Em setembro, será construído um prédio anexo, com 12 andares, para internação não crítica, que terá 120 leitos. No último andar, haverá um centro para reabilitação”, concluiu Paulo Niemeyer Filho.