CRM divulga estudo sobre perfil do médico no país

19/02/2013


Segundo levantamento, Estado do Rio tem 59 mil médicos: 67% deles estão na capital e 44% atuam no SUS

O CREMERJ apresentou nesta terça-feira (19) dados sobre o perfil do médico no Brasil, após uma pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Cremesp. Segundo o levantamento, o número de médicos em atividade no Rio de Janeiro chegou a 58.782 em outubro de 2012. Com índice de 3,62 profissionais por 1.000 habitantes, o estado se posiciona acima da média nacional, ocupando o segundo lugar em números absolutos de médicos registrados em todo o país (388.015) e em termos proporcionais. Apesar disso, 67% destes profissionais se concentram na capital e somente 44% deles atuam no Sistema Único de Saúde (SUS). 

“Os médicos enfrentam uma situação de instabilidade para se fixar na rede pública. Se a contratação dele for por OS, também não há segurança, pois se o prefeito mudar, todo o resto se modifica. Já como estatutário, os salários são baixos, há sobrecarga de trabalho e não há incentivos, como plano de cargos e carreiras”, disse a presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo.

No Rio de Janeiro, também se destaca a desigualdade percebida entre a capital e os municípios do interior do Estado. Os dados divulgados mostram que 9.875.416 dos fluminenses são assistidos por 19.524 médicos. Nas cidades interioranas, a média médico/habitante fica em 1,98, enquanto que na capital o índice é de 6,18 médicos por 1.000 habitantes. 

“Não adianta levar o médico para o interior, se não tiver outros profissionais de saúde, como enfermeiro e técnico de radiologia. É um trabalho em equipe. O médico também precisa de uma infraestrutura que garanta instalações, equipamentos e insumos para o exercício da Medicina”, ressaltou o conselheiro do CREMERJ e vice-presidente do CFM, Aloísio Tibiriçá.

O CFM e os conselhos regionais de Medicina defendem a criação de uma carreira de médico no âmbito do SUS como forma de estimular a fixação dos profissionais nas áreas consideradas de difícil provimento, com ações como melhoria nas condições de trabalho, maior financiamento público e privado e planos de cargos e salários.

O estudo “Demografia Médica no Brasil: Cenários e indicadores de distribuição” está disponível no site do CREMERJ na área de Download de arquivos.