No Iecac, CREMERJ sugere manifestação em defesa da Saúde

26/06/2015


O presidente e o vice-presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez e Nelson Nahon, se reuniram com representantes do corpo clínico do Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio Castro (Iecac), nesta quarta-feira, 24, em busca de uma solução para a falta de estrutura física, remédios e recursos humanos do hospital.

“Minha sugestão é nos unirmos em uma manifestação que englobe todos os hospitais do Estado. Não podemos cruzar os braços para a saúde e deixar que essa falta de respeito com o médico estatutário continue. Quem sofre mais é a população que fica desassistida”, sugeriu Pablo Vazquez, que após a última fiscalização ao hospital, no dia 12, afirmou que o Conselho abrirá uma ação judicial contra o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão.

À frente do debate, a presidente do corpo clínico do Iecac, Francisca Bottino Vieira, pediu ajuda ao Conselho para que o instituto não caia no esquecimento. “Depois das denúncias e exposição na mídia, algumas das nossas reivindicações foram atendidas, mas ainda estamos com falta de, pelo menos, 50 itens, inclusive antibióticos”, ressaltou Francisca.

O encontro contou com a participação de, aproximadamente, 30 representantes do corpo médico do hospital. A desmotivação dos funcionários também foi uma das queixas dos colegas, que concordaram em unir forças na luta por melhorias. 

Segundo Francisca, na última terça-feira, 16, em reunião com a direção do Iecac, a Fundação Saúde e outras entidades médicas, o secretário estadual de Saúde, Felipe Peixoto, garantiu que até dezembro conseguirá verba necessária para quitar todas as dívidas e pendências do setor.

“Há algum tempo, existiu uma promessa de abertura de edital para concurso público no mês de abril e, até agora, nada. Aguardar até o fim do ano é complicado. A saúde não pode esperar”, desabafou a médica.