Presidente da Câmara intermedeia gratificação no orçamento

08/08/2014


O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN), está intermediando a interlocução com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) para o retorno da gratificação dos médicos federais, extinta em 2012. Para que o valor seja incluído no orçamento de 2015, a proposta deve ser apresentada no Congresso Nacional até o final deste mês. Representantes do CREMERJ, do Sinmed-RJ e da Fenam estiveram com o parlamentar na noite dessa quarta-feira, 6, em seu gabinete, e voltaram a se encontrar nessa quinta, 7, em sua residência.

Na reunião de quinta, Henrique Alves conversou por telefone para a ministra do MPOG, Miriam Belchior, explicando a situação gerada pelo fim gratificação. Ela afirmou que estava ciente da questão e se comprometeu a analisar o caso com o secretário de Recursos Humanos do ministério, Sérgio Mendonça. Enquanto as entidades aguardam uma posição da ministra, também procurarão apoio junto aos líderes na Câmara do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), e do PT, Arlindo Chinaglia (SP), para solicitar a elaboração de emendas parlamentares, caso o governo não apresente proposta.

O CREMERJ, o Sinmed-RJ e a Fenam estiveram, no mês passado, com o presidente da Câmara, que se prontificou a ajudar na correção do pagamento que causou o prejuízo de aproximadamente R$ 1,3 mil nos contracheques dos médicos federais. Ele lembrou que o momento é péssimo para qualquer atrito com a categoria. Na ocasião, ele ainda ligou para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, para tratar do pleito.

Desde a MP 568/2012, convertida na Lei 12.702/2012, o salário dos médicos federais ficou inferior ao dos outros profissionais de nível superior.

"Temos reivindicado a correção da gratificação desde 2012. No ano passado, as entidades médicas tiveram uma reunião com a presidente Dilma Rousseff e ela cobrou uma solução ao Alexandre Padilha, que na época era o ministro da Saúde. Ele ficou de avaliar com o Ministério do Planejamento, porém nada foi feito", lembrou o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.

O diretor do Conselho Pablo Vazquez também esteve em Brasília na quarta-feira, 6.

 Na foto, Jorge Darze, Lúcia Santos, Geraldo Ferreira,
Henrique Eduardo Alves, Sidnei Ferreira e Mario Ferrari