Em assembleia, médicos federais decidem manter greve

09/04/2014



Em assembleia nessa segunda-feira, 7, médicos federais decidiram continuar a greve e visitar as unidades que estão com dificuldade de organizar o movimento. Na ocasião, também foi debatida a proposta do Ministério da Saúde em relação à gratificação por desempenho da categoria.

 

O CREMERJ e o Sinmed-RJ relataram aos colegas que, por telefone, o Ministério da Saúde afirmou ter apresentado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão a proposta de conceder a gratificação, num primeiro momento, apenas aos médicos federais ativos do Rio de Janeiro. Entretanto, o próprio Planejamento descartou essa possibilidade e declarou que estudaria a liberação da gratificação somente no ano de 2015.

 

As entidades médicas também informaram que, segundo o Ministério da Saúde, o próximo passo será um diálogo com o secretário-executivo do Ministério do Trabalho, que retornará de viagem na semana que vem.

 

“Pedimos essas respostas por escrito, mas o Ministério da Saúde ainda não nos enviou. Esclarecemos que não aceitamos nenhuma proposta, só estamos repassando as informações do Ministério da Saúde. Durante essa semana, o CREMERJ e o Sinmed-RJ vêm pedindo apoio aos parlamentares que ficaram ao nosso lado na época da MP 568. Não dá para esperar uma solução para 2015. Já se passaram dois anos nessa situação”, disse o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.

 

Com relação à mobilização nacional no Dia Mundial da Saúde, que aconteceu pela manhã da segunda-feira, na Cinelândia, todos avaliaram o ato público como positivo para o movimento. Segundo o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze, a iniciativa da categoria só fortalecerá as negociações com o governo federal, pois, mais uma vez, o Rio de Janeiro se destacou em todo o país, reunindo cerca de 500 pessoas.

 

Na assembleia, foram deliberadas visitas do CREMERJ, do Sinmed-RJ e da Fenam aos hospitais de Bonsucesso e da Lagoa, com o objetivo de apoiar essas unidades na formação das suas comissões de greve.