Falta de recursos humanos é agravada no Salgado Filho

14/11/2013


A situação do Hospital Municipal Salgado Filho conseguiu piorar. Médicos da unidade denunciaram ao CREMERJ uma série de irregularidades, causada principalmente pela grave falta de recursos humanos. No hospital, há 20 clínicos e seis neurocirurgiões, enquanto que a Resolução 100 do CREMERJ recomenda 42 e 14, respectivamente. Também é caótico o déficit de outros especialistas, como otorrinolaringologista, radiologista e anestesiologista, além de técnicos de laboratório.

A situação mais crítica é a do serviço de clínica médica, responsável pela observação feminina e masculina, reanimação, trauma, pronto atendimento e intercorrências de pacientes internados e de outras especialidades.

Na clínica médica, leitos foram fechados, o que vêm sobrecarregando ainda mais a emergência do hospital. A Unidade de Pacientes Graves (UPG), que tinha 13 leitos, também foi desativada. Nas enfermarias, a oferta de leitos é insuficiente e a transferência de pacientes para outras unidades, principalmente oncológicos e para vagas de CTI, é realizada de forma precária pelo Sistema de Regulação de Vagas.

Para agravar a crise, pacientes são levados pelo GSE/Samu em ambulâncias sem comunicar previamente e sem respeitar o perfil da unidade e as condições de atendimento.

De acordo com a denúncia, as condições de trabalho estão piores e o atendimento cada vez mais comprometido. Outro problema grave é a superlotação e o espaço físico não tem comportado a quantidade de pessoas.
 
Com as informações, o CREMERJ enviará uma denúncia para o Ministério Público e para a Delegacia do Consumidor (Decon).  O Conselho, que tem uma reunião agendada com o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, na próxima semana, pedirá uma solução para revolver essa crise. 

O CREMERJ vem denunciando a situação caótica do Salgado Filho desde fevereiro. Em agosto, promoveu uma manifestação em frente à unidade para chamar a atenção para as condições precárias de trabalho, superlotação e falta de recursos humanos.