Entidades lutam por reintegração da Santa Casa ao SUS

12/11/2013


Mais uma vez, médicos, funcionários e membros do CREMERJ e de outras entidades se reuniram em assembleia, nesta segunda-feira, 11, na Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, com o objetivo de encontrar um caminho para reabrir a instituição, interditada no dia 9 de outubro pela Vigilância Sanitária Estadual. Representantes da Santa Casa terão uma audiência com o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, para pedir a reintegração da unidade ao Sistema Único de Saúde.
 
Além do município, integrantes da instituição, assim como das entidades, tentarão se reunir com o secretário estadual do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, e com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para expor a situação crítica da Santa Casa. O deputado federal Antônio Brito, presidente da Frente Parlamentar das Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas, deverá visitar a unidade do Rio de Janeiro nos próximos dias. Outra novidade é que a Vigilância Sanitária aceitou rever alguns pontos do laudo, que poderá resultar na reabertura dos ambulatórios.
 
“O objetivo é sensibilizar as autoridades para uma questão grave de saúde pública. Pacientes crônicos estão sem receber medicamento e sem dar continuidade ou iniciar seu tratamento. Vamos lutar pelo financiamento do SUS, com controle social. Queremos nos reunir com representantes das três esferas, porque os governos são responsáveis por essa reativação. Apesar de ser um hospital filantrópico, as autoridades têm um compromisso com a população. São centenas de pacientes por dia que estão desassistidos”, declarou o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.
 
Durante a reunião, os participantes também mostraram preocupação com a residência médica. Em razão da situação caótica, os residentes foram transferidos, temporariamente, para hospitais conveniados à Santa Casa. 
 
A assembleia discutiu ainda o atraso no pagamento do salário dos funcionários. Na próxima terça-feira, 19, às 10h, quando acontecerá outra reunião, a tesouraria apresentará um relatório da movimentação financeira da instituição, com o intuito de transmitir transparência.
 
O provedor provisório da Santa Casa, Luiz Fernando Mendes de Almeida, disse ter esperança de que os problemas sejam resolvidos, mas não informou uma data para regularizar os atrasados.
 
Antes da assembleia, funcionários promoveram um ato público pela reabertura da Santa Casa e normalização dos pagamentos, em frente à entrada da instituição, que contou com o apoio do CREMERJ e do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ).
 
Também participaram da reunião: os conselheiros Nelson Nahon e Kássie Cargnin; o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze; o presidente da Academia Nacional de Medicina, Pietro Novellino; além de membros de outras entidades.