Médicos aposentados lutam por reajuste salarial digno

02/11/2013


Em reunião nesta sexta-feira, 1, na sede do CREMERJ, um grupo de médicos aposentados pelo Estado denunciou a situação calamitosa em que se encontram devido aos salários baixos que vêm recebendo. Além de reduzidos, os vencimentos tiveram aumentos insignificantes no decorrer dos últimos anos. Segundo eles, em 2005, o salário total do médico estatutário aposentado era R$ 1.670,00 e, em 2013, é R$ 1.690,48.

Os médicos mostraram indignação, principalmente, porque outras categorias com nível superior têm direito a reajustes salariais pelo Estado, enquanto que eles são abandonados pelas autoridades. De acordo com os aposentados, muitos colegas não têm condições físicas de trabalhar e, por isso, enfrentam uma situação ainda mais desesperadora para a garantia de suas subsistências.

O vice-presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, e o secretário-geral da entidade, Pablo Vazquez, ofereceram aos colegas auxílio jurídico e apoio do Conselho no que for necessário.

O vice-presidente do Conselho Federal de Medicina e conselheiro do CREMERJ, Aloísio Tibiriçá, falou sobre o descaso dos governos federal, estadual e municipal com a saúde pública e com a medicina e considerou fundamental o apoio da entidade, principalmente no âmbito político.

Aposentados pelo Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj), os médicos lamentaram a extinção da unidade, onde trabalharam durante anos.

Após a reunião, o presidente do CREMERJ ofereceu ao grupo as instalações do Conselho para que façam reuniões com mais frequência visando aumentar a organização do grupo.
   
Os conselheiros Serafim Borges, Erika Reis, Carlos Enaldo de Araujo, Gil Simões, Marília de Abreu e Armindo Fernando da Costa também participaram do encontro.