Reitor ameaça alunos de medicina da Universidade Gama Filho

02/09/2013


Após 50 dias acampados na Gama Filho, os estudantes do curso de medicina foram ameaçados pelo reitor da universidade, Cármine Antônio Savino Filho, de serem jubilados caso não desocupem a reitoria de forma pacífica até esta terça, 3. Em comunicado, a reitoria informa que irá proceder a instauração de inquérito disciplinar a fim de que sejam aplicadas as punições cabíveis, inclusive a exclusão dos alunos. Além disso, a universidade proibiu a permanência dos seguranças que o CREMERJ disponibilizou para os alunos no campus.
 
Os estudantes exigem, principalmente, a saída da mantenedora Galileo Educacional da universidade. Segundo o presidente do Centro Acadêmico de Medicina, Edwaldo Guimarães, a decisão de jubilar os alunos é a pior opção. 

"Se isso realmente acontecer, está tudo acabado para nós. Não poderemos continuar o curso, nem ser transferidos para outras universidades, pois elas não aceitam. Teríamos que prestar vestibular novamente e começar do zero”, lamentou.
 
Além da saída da Galileo Educacional da universidade, os estudantes querem um ensino de qualidade e a apresentação de um relatório financeiro da instituição dos anos 2012 e 2013. Exigem também a garantia da ampliação de segurança no campus e nos arredores e a confirmação da manutenção dos convênios para cenários práticos.
 
O CREMERJ considera o caso extremamente absurdo. 

"O que vemos é um descaso completo com os nossos estudantes. Como o governo diz que vai ampliar o número de vagas dos cursos de medicina, se não consegue gerir os que estão abertos? Dizem que faltam médicos, mas não cuidam dos estudantes que querem se formar no próprio país. O CREMERJ vai continuar ao lado dos alunos da Gama Filho, dando total apoio no que for preciso para impedir esse acontecimento", declarou a presidente da entidade, Márcia Rosa de Araujo.