Instituto de Filosofia da UFRJ debate programa Mais Médicos

29/08/2013


O Instituto de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) promoveu nessa terça-feira, 27, um debate sobre o programa do governo federal “Mais Médicos”. O evento, organizado pelo professor Valter Ferreira, contou com a participação do secretário-geral do CREMERJ, Pablo Vazquez; do presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, Jorge Darze; do professor Roberto Medronho; e da  professora Maria Verônica Secreto, autora do livro “Soldados da Borracha – Trabalhadores entre o sertão e a Amazônia no Governo Vargas”.

Na ocasião, com base em sua obra, Maria Verônica falou sobre o drama de trabalhadores nordestinos que, na década de 40, quando houve uma grande seca na região, aceitaram a proposta – aparentemente boa – de extrair borracha na Amazônia, após um acordo firmado entre Brasil e Estados Unidos. Entretanto, com o tempo, os operários perceberam que não se tratava do que eles imaginavam e se viram realizando um trabalho escravo.

A mesa contextualizou a situação ocorrida no Governo Vargas com o que o atual governo federal pretende fazer com o “Mais Médicos”. Os médicos estrangeiros virão ao Brasil sem vínculos empregatícios, ferindo as leis trabalhistas.

Em sua participação, Pablo Vazquez destacou o descaso do governo federal com as entidades médicas, pois, em nenhum momento, foram consultadas antes de elaborar a Medida Provisória 621/2013, que cria o programa.

“O problema no Brasil não é de falta de médicos, mas de um maior investimento para a saúde. O governo federal não está preocupado em criar um plano de carreira para os médicos, por isso muitos colegas não se disponibilizam. Temos vários casos de médicos que foram para cidades do interior e, meses depois, deixaram de receber, simplesmente porque o prefeito não pagou o salário dele. Defendemos o concurso público com salários dignos, carreira de Estado e melhorias na infraestrutura de hospitais e postos de saúde”, declarou.