Comissão de Educação da Câmara apoia causa da Gama Filho

12/08/2013


Representantes da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Federais estiveram nessa quinta-feira, 8, na Universidade Gama Filho, onde participaram de uma reunião com os alunos, que teve presença do CREMERJ. Os parlamentares se mostraram solidários à luta dos alunos e disseram considerar o movimento legítimo e justo.

De acordo com o presidente da comissão, o deputado federal Gabriel Chalita, será promovida uma audiência pública, em Brasília, para discutir o caso, na próxima terça-feira, 13, às 14h30. Os estudantes, inclusive, foram convidados para participar. Segundo Chalita, após essa reunião, o objetivo será pressionar o Ministério da Educação (MEC) em busca de uma solução.

“Nossa comissão tem poder político e institucional. Entendemos que o caminho é trabalhar em conjunto com o MEC, pois, desta forma, os resultados serão mais rápidos. Vamos lutar, num primeiro momento, para retomar as aulas nas instituições geridas pela Galileo Educacional. Queremos garantir o direito de estudar dos alunos. Também nos comprometemos em acionar o Ministério Público”, declarou.

Os alunos, por sua vez, reafirmaram que o objetivo principal é retirar a gestão da universidade das mãos da Galileo. Segundo eles, durante a visita de representantes do MEC à Gama Filho, foi dito que foi encontrada uma jurisprudência que poderia abrir a possibilidade de troca da chancela de mantença, o que resultaria na gestão provisória de outra instituição até que fosse estabelecida uma definitiva.

A deputada federal Jandira Feghali, que também compareceu ao encontro, disse que, em conversa com o secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC, Jorge Messias, ele informou que a Galileo entregou os documentos solicitados pelo ministério, cumprindo o prazo instituído pela pasta, e que os dados serão avaliados.

Já o CREMERJ, representado pelo conselheiro José Ramon Blanco, reiterou o seu compromisso em apoiar os alunos da Gama Filho.

“Essa mantenedora já mostrou que é incompetente para administrar uma universidade. Estamos ao lado dos alunos, exigindo o direito de estudar que é deles. No caso dos estudantes de medicina, ainda falta o hospital-escola, outro assunto que precisa ser resolvido”, disse José Ramon, que também preside a Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj).

Participaram ainda da reunião, os parlamentares Glauber Braga, Robson Leite, Eurico Júnior, Celso Jacob e Andreia Zito; e o diretor da União Nacional de Estudantes (UNE), Igor Maynorm.