CREMERJ reafirma apoio aos alunos de medicina da Gama Filho

24/07/2013


O CREMERJ esteve, mais uma vez, na Universidade Gama Filho nessa terça-feira, 23, em apoio aos estudantes de medicina, que estão acampados na reitoria, exigindo providências da mantenedora Galileo Educacional e a intervenção do Ministério da Educação (MEC) na instituição. Na ocasião, a entidade, médicos e alunos aguardavam a visita do presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Federais, Gabriel Chalita, que, por motivos pessoais, desmarcou o compromisso. 

Além do CREMERJ – que foi representado pela presidente Márcia Rosa de Araujo e por um grupo de conselheiros –, representantes do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ), o diretor de comunicação da União Nacional dos Estudantes (UNE), Igor Mayworm, e professores da Gama Filho compareceram ao encontro.

Mesmo com a ausência do deputado, os presentes realizaram uma reunião, na qual ficou decidida a participação dos estudantes da Gama Filho na manifestação do dia 31 de julho, com concentração na Cinelândia, e a ida de um grupo de alunos a Brasília no dia 8 de agosto.

Segundo os estudantes, há uma série de irregularidades na Gama Filho, com destaque para: o atraso do pagamento de professores e funcionários; a falta de um orçamento aprovado para que a universidade tenha autonomia financeira; a demissão em massa; a ausência de investimentos e de convênios, que tem resultado no sucateamento da instituição; e, no caso do curso de medicina, a falta de um hospital-escola. 

Na ocasião, o CREMERJ compartilhou com os alunos a decisão da última assembleia dos médicos, no CBC, realizada na segunda-feira, 22, que aprovou uma moção de apoio à causa dos estudantes da Gama Filho. O Conselho também reafirmou o seu compromisso com os futuros médicos. 

“O que vemos é um descaso completo com os nossos estudantes. Como o governo diz que vai ampliar o número de vagas dos cursos de medicina, se não consegue gerir os que estão abertos? O Ministério da Educação ainda não interferiu, pois diz que o problema deve ser resolvido no Procon, mas nós não os deixaremos desamparados e já entramos nessa luta”, garantiu Márcia Rosa, que sugeriu a realização de uma assembleia com a participação dos alunos e de seus pais no dia 1º de agosto. 

No término da reunião, os alunos formularam um documento, que foi assinado por todos os participantes do encontro, explicando que eles aguardavam a presença do deputado Gabriel Chalita, que não compareceu. Clique aqui para conferir na íntegra o texto da minuta que será protocolada na Câmara.