CREMERJ repudia a implantação do Programa Mais Médicos

09/07/2013


O CREMERJ repudia as medidas que serão implementadas pelo programa “Mais Médicos para o Brasil”, anunciado pelo governo federal. O CREMERJ reafirma que não irá registrar profissionais estrangeiros sem a prova de revalidação do diploma e, para isso, prepara uma resolução para tentar impedir o registro de médicos não certificados no país.

Pleiteamos mais verbas para a Saúde, 10% do PIB nacional, concursos públicos com salários dignos, com o piso de R$ 10.412 estipulado pela Fenam, carreira de Estado, além de condições dignas de trabalho, para efetivo estímulo e fixação do médico no interior e nas áreas carentes. Além disto, nos hospitais e postos de saúde destas regiões, há escassez de medicamentos, insumos, de outros profissionais de Saúde e dificuldades na realização de exames complementares, entre outras precariedades, que superam as dos grandes centros.

O CREMERJ também critica veementemente que, a partir de 2015, os estudantes de medicina sejam obrigados a trabalhar por dois anos no SUS como requisito fundamental para a retirada do diploma. De acordo com a lei federal 3268/57, só pode exercer a medicina quem tem em mãos o seu diploma e a devida inscrição nos Conselhos Regionais de Medicina. Não há registro provisório. Cabe ressaltar que as faculdades públicas têm seus hospitais sucateados pelo descaso crônico dos governos e algumas particulares se utilizam do SUS para o treinamento dos alunos por não terem hospitais próprios. Assim, o CREMERJ reafirma sua postura de tentar impedir que tais medidas, que significam uma ofensa à profissão e um desrespeito à saúde da população, sejam postas em prática.