CRM constata irregularidades em hospital em Niterói

26/03/2013


O CREMERJ realizou uma fiscalização, nessa segunda-feira (25), no Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói, após uma denúncia de que estariam faltando médicos na unidade, além de não haver fio cirúrgico para as cesarianas.

Na ocasião, apurou-se que no dia 15 de abril se encerra o contrato do hospital com a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (FIOTEC) para 13 obstetras, 10 neonatologistas, 11 neurocirurgiões e seis ortopedistas. Com isso, a emergência e a maternidade correm o sério risco de serem fechadas, uma vez que os plantões ficarão descobertos de tais especialidades.

Durante a fiscalização, os médicos se mostraram muito preocupados, pois ainda não foi informada uma alternativa para o problema. A Secretaria Estadual de Saúde disse que os médicos contratados pela Fundação Estadual  de Saúde iriam repor o déficit, mas o banco de reservas acabou e a maioria dos profissionais contratados já saiu em decorrência das precárias condições de trabalho. Antes com 14 obstetras, a unidade hoje conta com apenas quatro, sendo que duas médicas estão em licença-maternidade.

“Diante da grave situação apresentada, o CREMERJ vai enviar o relatório de fiscalização ao Secretário Estadual de Saúde e as providências serão discutidas em reunião marcada para o dia 9 de abril”, aponta Márcia Rosa de Araujo, presidente do Conselho.