Médicos programam ato público em defesa da residência

22/03/2013


Reunidos em assembleia nesta quinta-feira, 21, os residentes dos hospitais federais do Rio de Janeiro debateram as dificuldades que enfrentam nas suas unidades e votaram, por unanimidade, três ações para mostrar ao governo que a situação está insustentável: realizar um ato público, protocolar um manifesto nos Ministérios da Saúde e da Educação e denunciar ao Ministério Público todos as falhas graves e crescentes que prejudicam e ameaçam a residência médica e a população.

Residentes dos hospitais Andaraí, Servidores do Estado, Bonsucesso, Nova Iguaçu e Cardoso Fontes relataram os principais problemas de suas unidades e compartilharam sua revolta com as promessas de melhoria não cumpridas pelos gestores, a falta de recursos humanos, as condições inadequadas de aprendizagem e a deficiência de preceptores, fatores que acabaram levando à diligência dos programas de residência médica no Hospital do Andaraí.

No caso do Andaraí, como já houve a contratação emergencial de anestesistas, está sendo solicitada à Comissão Estadual de Residência Médica do Rio de Janeiro (Ceremerj) nova visita para reavaliação das condições da unidade e a revogação da diligência, abrindo a oportunidade de os residentes, preceptores e a Comissão de Residência Médica (Coreme) do hospital apontarem todas as deficiências para que sejam corrigidas pelos gestores.

A presidente da Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR), Beatriz Costa, que participou da mesa diretora da assembleia, pediu que os colegas se mantivessem mobilizados para as batalhas. \"Todos sabemos que a residência é a melhor forma de especialização médica e vamos lutar por ela. Não podemos deixar que a má administração e o descaso dos gestores acabem com tudo aquilo que já foi conquistado pelos médicos.\"

Novo presidente da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), eleito nessa segunda-feira, 18, Diego Puccini ressaltou que a organização do movimento é essencial para que a categoria conquiste vitórias. \"Estou assumindo a Amererj com o compromisso de lutar pela manutenção e pela excelência da nossa especialização. Sei que terei muito trabalho pela frente, mas com o apoio de vocês, vamos atrás do nosso objetivo maior: poder fazer a residência com qualidade e dignidade.\"

Os residentes farão um levantamento das dificuldades enfrentadas em suas unidades, que serão a base de um manifesto para o Ministério da Saúde e também serão formalizadas em uma denúncia ao Ministério Público.

A manifestação, que ainda não tem data marcada, irá reunir residentes que atuam em unidades das três esferas de governo e deverá ocorrer entre o Ministério da Educação no Rio e o Núcleo Estadual do Ministério da Saúde (Nerj), no centro da capital.

O conselheiro Pablo Vazquez chamou a atenção para a importância do fortalecimento das Coremes. \"A situação que vemos hoje nos hospitais, não só nos federais, é lamentável. O governo dá seu atestado de incompetência na gestão e segue o caminho da terceirização da saúde. Mas precisamos resistir. Os residentes devem manter-se unidos e mobilizados, porque essa luta é fundamental, não só para o fortalecimento da residência como para a reestruturação dos hospitais. As entidades médicas apoiam o movimento em defesa da residência de qualidade e de uma medicina digna e de excelência à população.\"

Susana Maciel, que preside a Ceremerj, explicou aos participantes como funciona o processo de avaliação para a existência dos programas e solicitou que os residentes relatem e enviem para a Ceremerj quaisquer dificuldades que estejam enfrentando imediatamente.

Representando a deputada federal Jandira Feghali, o assessor Carlos Henrique Tibiriçá frisou que ela havia pedido uma audiência com o ministro da Saúde com a ANMR, a bancada parlamentar do Rio de Janeiro e membros do CREMERJ, marcada para a terça-feira passada (19), mas cancelada e prometida para a próxima semana.

Também participaram da assembleia os conselheiros Armindo Fernando da Costa, Luís Fernando Moraes, José Ramon Blanco (presidente da Somerj) e José Romano, do Sinmed-RJ.