HGB elege nova direção do corpo clínico

15/03/2013


Em assembleia, nessa quinta-feira, 14, no Hospital Federal de Bonsucesso, a presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo, e o diretor Armindo Fernando da Costa participaram da cerimônia de posse da nova direção do corpo clínico e debateram sobre a situação crítica do HGB, causada pela falta de recursos humanos, desativação do centro de transplantes, superlotação da emergência e paralisação das obras.

Formada pelos médicos Flávio Sá, Vinicius Castro, Valter Javaroni, Maria Célia Pereira e Abílio Santa Rosa, a nova direção – que ficará no cargo até 2014 – afirmou que trabalhará em defesa de todos os membros do corpo clínico e mostrou preocupação com alguns programas de residência médica, que estão em diligência, e ameaçados pela falta de infraestrutura e de anestesistas.

“Queremos ter um contato mais amplo com todos os médicos do HGB e também um discurso mais franco com a direção do hospital. A situação é difícil. Temos obras espalhadas por vários setores, ouvimos queixas de pacientes que estão há muito tempo na fila para operar e, às vezes, nem centro cirúrgico temos. Sabemos de todo esse quadro, mas vamos trabalhar para mudar”, garantiu o presidente da direção do corpo clínico, Flávio Sá.

Após a cerimônia, o CREMERJ propôs a ida de uma comissão de médicos de cada hospital federal do Rio e de residentes à mobilização que acontecerá em Brasília no dia 2 de abril no auditório Petrônio Portela, no Senado Federal – a fim de mostrar a força dos médicos em questões relacionadas à Saúde. O Conselho também sugeriu que seja feita uma manifestação nas ruas do Rio no mesmo dia em que ocorrer a audiência pública que discutirá questões da saúde na Câmara Municipal dos Vereadores.

“Temos que ir para as ruas e mostrar a nossa indignação com a situação da saúde no Rio. Tem sido grande o desrespeito com os médicos e com a população. Enfrentamos problemas com falta de recursos humanos, baixos salários, emergências superlotadas e serviços desativados. Temos que impedir que os nossos hospitais sejam fechados e privatizados, exigindo que nossas unidades tenham condições de funcionamento”, declarou Márcia Rosa.

Outras propostas foram apresentadas durante o encontro. Todas as sugestões serão avaliadas durante uma reunião que a direção do corpo clínico fará na próxima quinta-feira, 21.

Cerca de 60 médicos e funcionários do HGB participaram da assembleia. O diretor geral do hospital, Flávio Silveira, e o diretor adjunto Moyses Rechtman estiveram presentes. O ex-presidente da direção do corpo clínico, Baltazar Fernandes, acompanhou todo o evento e fez a abertura oficial, com um discurso de agradecimento e de apoio aos novos membros dirigentes. O vereador Paulo Pinheiro e representantes do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, da Associação dos Movimentos dos Renais Vivos e Transplantados (Amorvit-RJ) e de outras instituições também compareceram à cerimônia.