Ministério da Saúde não cumpre acordo no Cardoso Fontes

22/02/2013


O Ministério da Saúde, que em novembro de 2012 disse que ia contratar médicos de forma emergencial para suprir as necessidades do Hospital Municipal Cardoso Fontes, não cumpriu o seu acordo. Em carta ao CREMERJ, a presidente da Comissão de Ética Médica da unidade, Magali Luppo, denunciou que a falta de recursos humanos persiste e se agrava a cada dia. Segundo a médica, com a carência de clínicos gerais, cirurgiões e outros especialistas, as escalas dos plantões estão intensas, sobrecarregando os médicos do Cardoso Fontes.

A Comissão de Ética também criticou os critérios da Central de Regulação de Vagas, que, muitas vezes, transferem pacientes que necessitam de uma estrutura que o hospital não oferece. 

Há três meses, o secretário de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, esteve no Cardoso Fontes em reunião com diretores do CREMERJ, membros da Comissão e do corpo clínico. Na ocasião, ele admitiu que a situação do hospital era crítica e que providências seriam tomadas. Como medida imediata, a Secretaria faria a contratação temporária de médicos para minimizar os problemas da deficiência de recursos humanos. Magalhães disse ainda que já estava conversando com o Ministério do Planejamento para resolver o caso e que as contratações poderiam ser feitas pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalaras (Ebserh). 

Em novembro, representantes do Ministério da Saúde também se comprometeram a contratar leitos de retaguarda e a articular com o estado e o município melhorias nos sistemas de regulação. 

“Mais uma vez, falamos sobre a falta de recursos humanos. Os colegas do Cardoso Fontes estão desmotivados com excesso de trabalho e promessas que não se cumprem. Vamos cobrar do Ministério uma resposta e ações imediatas. É um desrespeito com a classe médica e com a população, que também sofre com as consequências”, afirma o Conselheiro do CREMERJ, Pablo Vazquez.