CREMERJ recebe apoio de Lindbergh Farias e da OAB-RJ

29/01/2013



A diretoria do CREMERJ recebeu o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) na sede do Conselho, nesta terça-feira, 29, para tratar da mesa de negociação prometida pelo governo que vai elaborar, juntamente com os médicos, os reajustes das gratificações dos médicos federais. A reunião teve como objetivo organizar um encontro em Brasília para que os representantes do CRM reivindiquem que o reajuste das gratificações seja incluído na votação da Lei Orçamentária. A questão teve origem na tramitação da Medida Provisória 568, através da qual todas as demais categorias de nível superior tiveram reajustes maiores que os dos médicos.

O encontro teve a presença do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ), Felipe Santa Cruz, além da presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araújo, e os conselheiros Luís Fernando Moraes, Pablo Vazquez, Sergio Albieri, Nelson Nahon, Sidnei Ferreira e Armindo Fernando da Costa.

Lindbergh Farias e Felipe Santa Cruz se prontificaram em estar ao lado do Conselho na luta pelos médicos federais. Além de acreditar na causa, eles disseram estar dispostos a atuar nas articulações com as autoridades estaduais e com os parlamentares em Brasília para que as negociações efetivamente avancem. \"Eu reconheço a força do CREMERJ e acredito nessa luta. Tenho todo o interesse em auxiliar e participar desse processo, para que possamos resolver a questão do reajuste dos médicos e os demais interesses do Conselho\", relatou o senador.

Em dezembro de 2012, a diretoria do CREMERJ se reuniu com o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, para negociar questões salariais dos médicos federais. No encontro, foi decidido que seria formado um grupo de trabalho específico para negociar a revisão dos valores da Gratificação de Desempenho de Atividades Médicas. Apesar do acordo, as negociações não avançaram como prometido.

Durante a reunião desta terça-feira, o Conselho também colocou o momento crítico da saúde pública, que é a desregulamentação do trabalho médico. Os diversos vínculos de contrato prejudicam o bom andamento da saúde no Rio de Janeiro, onde os concursos públicos oferecem salários irrisórios, fazendo com que não haja interesse dos médicos em realizá-los.

 \"O Conselho tem uma série de propostas construídas ao longo do tempo. Elas estão disponíveis para que o senador possa nos ajudar a implementá-las\", destacou Márcia Rosa.

Os conselheiros agradeceram o apoio do senador Lindbergh Farias e da OAB-RJ e afirmaram que o CREMERJ continuará na luta pela valorização do médico. \"É necessária uma melhoria da assistência médica à população, uma vez que não há carência de médicos no país, mas sim falta de incentivo do governo, com planos de cargos e salários dignos\", concluiu a presidente do CREMERJ.