Residentes do Hospital do Andaraí fazem manifestação

29/01/2013



Apoiados pelo CREMERJ e pela Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), os residentes do Hospital Federal do Andaraí fizeram uma manifestação nesta terça-feira, 29, na porta da unidade, para denunciar a falta de anestesistas no hospital, o que implica o acúmulo de pacientes na fila de espera. Estima-se que cerca de 3 mil cirurgias deixem de ser realizadas ao longo deste ano, já que todas as especialidades dependem do especialista.

“Estamos nesta luta justa para pedir que a população nos ajude na árdua tarefa de alertar os governantes”, destacou Beatriz Costa, presidente da Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR) e vice-presidente da Amererj.

A falta de anestesistas está se agravando porque muitos estão se aposentando,  e não há reposição, já que médicos não aceitam mais os baixos salários oferecidos. \"O governo está tentando terceirizar o trabalho médico. O Centro de Tratamento de Queimados deste hospital, por exemplo, que sempre foi uma referência na cidade, está com risco de fechar”, destacou o conselheiro Pablo Vazquez.

Outro problema exposto durante a manifestação foi a falta de incentivo à residência. Além da carência de vagas e de infraestrutura, estão faltando médicos experientes que possam formar os residentes. “O que estamos vendo aqui é uma linha de conduta nacional. O gestor é incompetente para gerir a saúde. Mas os residentes podem contar conosco. Estamos na luta para resolver esta questão”, apontou o conselheiro Sidnei Ferreira.

“A residência médica é considerada mundialmente como a melhor forma de especialização. Mas é preciso que o governo ofereça vagas em número suficiente e estrutura para que os médicos se especializem com qualidade, com preceptores experientes, que precisam ser valorizados”, completou o conselheiro Armindo Fernando da Costa, que também participou da mobilização.

CREMERJ fiscaliza Hospital Federal do Andaraí

Motivada pela reivindicação dos médicos residentes do Hospital Federal do Andaraí, a Comissão de Fiscalização do CREMERJ visitou a unidade, enquanto acontecia a manifestação, para averiguar as condições de trabalho no local. Em reunião com o diretor geral do hospital, Dásio Simões, foi constada a falta de médicos, além da superlotação dos setores.

Há excesso de pacientes internados na emergência – alguns acomodados nos corredores do hospital –, e deficiência no quadro de anestesistas, principal problema encontrado na unidade. Desde outubro do ano passado, 14 especialistas, do total de 49, deixaram o hospital.

O CREMERJ encaminhará o relatório da fiscalização para as autoridades e tomará as providências cabíveis.