Curso capacitará profissionais, pais e cuidadores para ampliar assistência ao autismo

03/04/2018

Em alusão ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo (2/4), o Ministério da Saúde fechou uma parceria com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) para capacitar 1.000 pais e cuidadores de crianças com atrasos de desenvolvimento, incluindo o autismo. A iniciativa inédita para esse público cai formar e capacitar cuidadores em todas as regiões do país. O convênio está inserido no Programa Internacional de Capacitação de Familiares e Cuidadores de Crianças, que existe em 29 países. Estima-se que 1% da população no Brasil tenha autismo.

O Ministério vai qualificar cuidadores para melhorar suas habilidades de cuidado, utilizando técnicas que promovam o desenvolvimento e a funcionalidade das crianças de 2 a 9 anos.  O recurso do Ministério da Saúde previsto para esse projeto está estimado em R$ 2,5 milhões. O convênio prevê a formação de 60 Supervisores nacionais, 160 multiplicadores, que serão trabalhadores do SUS, e 1.000 cuidadores/pais. A qualificação iniciaria em 2018 como projeto piloto na cidade de Curitiba (PR). E vai expandir, no próximo ano, para dez outros estados das 5 regiões do país.

O objetivo da capacitação é diminuir o estigma e aumentar a inclusão por meio da formação de recursos humanos. “Temos uma dívida histórica nessa área de cuidado de pacientes com autismo. Vamos implementar o curso em 10 estados com segurança e cuidado, para depois em uma segunda etapa, disseminar em todo o território nacional”, explica o coordenador da Saúde Mental do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro.

O governo brasileiro instituiu em 2012 a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), Lei Federal nº 12.765, segundo a qual o indivíduo com autismo deve ser considerado uma pessoa com deficiência para todos os efeitos legais.

Fonte: Ministério da Saúde