Na Mídia - RJ adoece com crises na saúde municipal, estadual e federal

Folha de São Paulo /

16/09/2019


População sofre com redução de equipes da família, falta de remédios e de leitos

“Para mim era uma fantasia de televisão. Nunca havia passado por uma situação dessas”, conta a agente administrativa Gleice Fava-ris, 43. Sua saga teve início há quatro semanas, quando seu pai, idoso e com mal de Alzheimer, começou a apresentar sintomas de pneumonia.

Ele passou por duas unidades da rede municipal, onde enfrentou falta de remédios e equipamentos. Na última delas, a UPA de Costa Barros, ficou ao menos três dias sem tomar antibiótico porque o Ciavulin estava em falta. Segundo Gleice, também não havia soro, gaze e nem sequer lençol.

O idoso ficou internado por nove dias aguardando a transferência para um hospital, até que morreu na última sexta (6). “Meu pai não deveria estar do jeito que estava. Ele piorou muito no serviço público. Fiquei horrorizada com a forma como as pessoas são tratadas, como lixo”, diz.

Gleice e seu pai são apenas dois dos milhares afetados pelas dificuldades que atingem simultaneamente as redes municipal, estadual e federal de saúde do Rio de Janeiro —estado que tem nove unidades geridas pela União, o maior número do país.

Essa conjuntura faz a população fluminense viver o que Daniel Macedo, defensor público da União, chama de “sua pior crise na saúde desde a Constituição de 1988”. “Antes, quando uma rede não estava bem, tinha o suporte das outras. Desta vez são as três ao mesmo tempo”, diz.

Na esfera municipal, a carência de profissionais e de in-sumos é a principal crítica de médicos ouvidos. Muitos não quiseram se identificar.

“Nunca vi a situação deplorável como está", afirma o pediatra Raphael Câmara, conselheiro do Cremerj (Conselho Regional de Medicina).

No âmbito estadual, onde a crise começou primeiro, em 2015, com o desajuste das contas públicas, a situação já está mais controlada. Ainda assim, reclamações de pacientes persistem. Uma comissão chegou a ser criada em 2018 para reavaliar protocolos depois que uma paciente morreu no Hospital Getúlio Vargas, superlotado, por falta de atendimento.

Já na rede federal, a desordem foi tanta que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, elegeu o “choque de gestão” no Rio como uma de suas prioridades. No início do ano, enviou militares para organizar processos administrativos e financeiros.

Outro sintoma da crise em todas as esferas é o déficit de leitos, problema histórico que tem se agravado com o fechamento de vagas por falta de profissionais ou condições estruturais. Em 17 de junho, havia 1.071 os leitos públicos bloqueados na cidade.

Segundo Thaisa Guerreiro, coordenadora de saúde da Defensoria do RJ, foi em 2017 que os problemas do estado evoluíram para as redes municipal e federal, com mais políticas de ajuste fiscal no setor.

“Como as unidades estaduais não estavam suportando, a população se deslocou para as municipais. Quando a prefeitura também começa a fazer cortes, não dá conta da demanda”, afirma.

Os motivos para a crise, porém, não se limitam à falta de dinheiro. Má gestão, indicações políticas para cargos técnicos e corrupção também são citados como causas.

Um exemplo é o caso do In-to (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia), que sofre com o desabastecimento de próteses e órteses depois que fornecedoras foram acusadas de participar de fraudes em licitações e pagamento de propina. Só 3.638 das 5.371 cirurgias esperadas para o primeiro semestre foram feitas.

A atenção primária, essencial para prevenção e controle de doenças crônicas, vive uma reestruturação feita pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB).

Esse sistema é em grande parte gerido por organizações sociais (OSs), empresas que recebem dinheiro municipal e em troca cumprem metas.

Crivella afirma que seu antecessor, Eduardo Paes (DEM), expandiu a rede de forma desordenada. Desde 2017, o prefeito extinguiu 176 equipes de saúde da família, fazendo a parcela da população atendida cair de 71% para 61%.

A prefeitura diz que não houve corte de serviços e que as mudanças buscaram concentrar equipes em locais mais pobres, eliminaras de baixa produtividade e adequar o serviço ao orçamento municipal

Apercepção de profissionais da saúde da família, porém, é outra. O coletivo de médicos Nenhum Serviço de Saúde a Menos afirma houve desestruturação da atenção básica, redução no valor dos contratos renovados com as OSs, corte e atraso de benefícios e vínculos de trabalho precários.

A crise do RJ se reflete em indicadores da saúde. O número de mortos por causas evitá-veis no estado, como tuberculose e hepatites virais, que se mantinha num patamar abaixo de 75 mil desde 2000, explodiu para quase 80 mil em 2016.

Antes em queda, a taxa de mortalidade materna subiu de 2015 para 2017: foi de 67,1 para 84,7 óbitos por 100 mil nascidos vivos, acima da média nacional (64,5). Os dados são os mais recentes do Datasus.

Os problemas não atingem só a rede pública. Na quinta-feira (12), um incêndio tomou conta de um dos prédios do hospital Badim, na Tijuca, zona norte do Rio, matando 11 pessoas. A causa do incêndio ainda não foi esclarecida, mas a suspeita é de que tenha ocorrido um curto circuito no gerador do prédio.

-----

Prefeitura nega falta de insumos; estado e União veem avanços

OUTRO LADO

A Prefeitura do Rio diz que não há falta generalizada de remédios e insumos na rede e que baixas pontuais podem ocorrer por dificuldades em processos de compra.

O governo do estado, sob a gestão de Wilson Witzel (PSC), afirma que encontrou em janeiro um panorama de crise nas finanças e na gestão da saúde, mas que avanços estão sendo realizados. Entre eles, a retomada de repasses aos fornecedores e a manutenção das unidades da rede estadual, por meio, de reformas na infra estrutura. A Secretaria de Saúde também diz ter repassado mais de R$ 310 milhões aos municípios para fortalecer os atendimentos.

Já o governo Jair Bolsonaro (PSL) aponta que a ação conjunta para reestruturar os seis hospitais federais do RJ já resultou em um aumento no número de atendimentos. Além do envio de uma equipe multidisciplinar para melhorar a gestão e a infraestutura, 1.500 funcionários foram capacitados.