CREMERJ participa da formatura da residência médica da SMS

06/02/2020

O diretor do CREMERJ Ricardo Farias participou nesta quarta-feira, 5, da cerimônia de conclusão dos cursos de residência médica, promovida pela Secretaria Municipal de Saúde  do Rio de Janeiro (SMS-RJ). A coordenadora-geral de Gestão em Pessoas do município, Patrícia Kauffman, abriu o evento, que contou a presença dos residentes, seus familiares e acadêmicos de Medicina. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e o secretário-executivo da SMS-RJ, Jorge Darze, também compareceram à cerimônia, realizada pela primeira vez na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, localizada na zona oeste da cidade.

Ainda na abertura, o Hino Nacional foi entoado, sendo executado pela banda da Guarda Municipal e regido pelo maestro Gilberto Machado.

O evento celebrou não só o término da residência médica, mas também de outras áreas: enfermagem, saúde mental, farmácia e medicina veterinária. Eles foram representados pelos discursos de residentes oradores que ressaltaram a importância da preceptoria e a experiência adquirida no período de formação.

O médico ortopedista Fernando D’Albuquerque foi um dos preceptores homenageados. “Sinto-me honrado e muito satisfeito, mas minha maior satisfação está em ver todos eles vivendo esta nova fase da vida. Desejo boa sorte a todos os residentes”, comentou.

Já o prefeito Marcelo Crivella congratulou os residentes: “Quero parabenizar a todos e pedir a Deus que lhes guiem em cada decisão que tiverem que tomar. Vocês são, talvez, os profissionais em que a nossa população mais deposita suas esperanças”.

 

Durante a solenidade, Ricardo Farias destacou a importância dos familiares na carreira parabenizou os novos especialistas e pressionou a prefeitura em defesa da qualidade do ensino dado aos médicos residentes. 

“Até 2024, a metade dos médicos em atividade será jovem. Dito isso, é preciso ressaltar que o serviço público é a base da formação do profissional de saúde. Quando o hospital não oferece as mínimas condições de trabalho e não paga os residentes de forma justa, prejudica a formação desses profissionais. Isso também pode resultar em uma má prática médica, o que nós, do CREMERJ, não podemos  aprovar. Garantir a formação de excelência, é assegurar a boa Medicina. Isso é o que defendemos”, ressaltou.