Codel faz reunião com delegacias de todo do estado

29/01/2020

A Coordenação das Delegacias do CREMERJ (Codel) promoveu, nesse sábado, 25, sua reunião com os delegados e representantes do Conselho no interior do estado. A finalidade é discutir a situação da saúde nas outras regiões do Rio de Janeiro e aplicar soluções.

 

A mesa foi dirigida pelos responsáveis da Codel Beatriz Costa e Carlos Romualdo Barboza, que também é coordenador da delegacia de Teresópolis, e pela vice-presidente do Conselho Célia Regina Silva.

 

A primeira reunião do ano apresentou o levantamento dos atendimentos feitos em 2019 nas delegacias. Na unidade de Niterói houve um crescimento devido ao fechamento do CREMERJ em São Gonçalo.

 

Foi anunciado também o fechamento da delegacia do Méier, pois o número de atendimentos não vem justificando os custos do local. A medida visa economizar R$ 200 mil anuais e os médicos poderão buscar suporte nas unidades de Madureira, Tijuca e Barra da Tijuca.

 

Outra novidade é o novo conteúdo sobre questões éticas, que entrará no sistema usado para a educação continuada.

 

“Vamos disponibilizar vídeos educativos referentes ao exercício da medicina e todos poderão desenvolver temas nas suas regiões. Isso será muito bom, especialmente para os médicos jovens”, anunciou a vice-presidente.

 

Na ocasião, foi identificada pelos coordenadores a necessidade das faculdades de medicina terem um treinamento voltado para os internos, que não têm ciência de suas responsabilidades. Beatriz explicou que o Conselho já vem trabalhando nisso e que existe uma palestra específica para os estudantes.

 

“Cada vez mais as faculdades vêm implementando a disciplina de ética na grade curricular. Como Conselho, não podemos obrigá-las a darem a aula, mas já nos reunimos com todos os diretores dos cursos de medicina do estado e nos colocamos à disposição para essa apresentação, porém não obtivemos muito retorno. Acredito que a melhor forma de chegarmos aos alunos é por meio dos diretórios acadêmicos”, acrescentou.

 

Também foi divulgado um projeto piloto de autoavaliação para servir de orientação às unidades de saúde. A ideia é evitar erros corriqueiros durante as fiscalizações do CREMERJ, onde é comum os diretores técnicos alegarem o desconhecimento de determinadas normas. Eles receberão uma lista de checagem e terão 30 dias para entregá-la na delegacia responsável, além de um CD com toda a legislação pertinente àquela unidade e um manual do diretor técnico.

 

O projeto tem o propósito educativo e orientador, informando ao diretor técnico as leis pertinentes e resoluções do Conselho, além de verificar se a unidade está de acordo com a legislação vigente e evitar futuras notificações. A fase de teste funcionará em três delegacias: Nova Friburgo, Macaé e Três Rios.

 

Segundo as pontuações feitas pelos coordenadores, foi possível identificar situações muito graves nas cidades de Angra dos Reis e Cabo Frio. Outras unidades na Região dos Lagos, como Arraial do Cabo e Búzios, também se encontram em condições ruins. O delegado responsável por Cabo Frio e também conselheiro do CREMERJ, Rodrigo Maia, acredita que a autoavaliação de fiscalização pode ajudar a pressionar as direções dos hospitais.

 

Um conjunto de problemas em Campos dos Goytacazes levou o CREMERJ a agendar uma plenária extra, que acontecerá em fevereiro junto às Secretarias Municipal e Estadual de Saúde, e o Ministério Público Estadual e Federal. Baixos salários é uma das principais queixas da categoria médica.

 

Em Volta Redonda, a Organização Social responsável pelo maior hospital público da região vem impondo contratações por meio de pessoa jurídica. Essa decisão está causando problemas tributários aos profissionais, que, sob ameaça de paralisação, conseguiram agendar uma reunião com a prefeitura para negociarem.

 

O conselheiro federal Raphael Câmara ressaltou o apoio que o Conselho está oferecendo a Volta Redonda.

 

“Essa reunião que temos aqui é importante para que o interior tenha voz. Nós podemos e já estamos dando suporte político e jurídico. Questões como contratos e salários são funções do sindicato, mas nós sempre daremos assistência ao que nos cabe”, disse.

 

Carlos Romualdo reiterou o suporte do Conselho a todas as regiões.

 

“Não tenham dúvidas do nosso o apoio político. O CREMERJ tem um peso muito forte na sociedade. Quando emitimos uma nota, as pessoas, e a imprensa, inclusive, param para nos ouvir. Nossos posicionamentos têm peso e valor”, declarou.

 

Estiveram presentes na reunião o coordenador e a 1ª secretária de Volta Redonda, Felipe Canavez e Juliana Monteiro; o coordenador da delgacia metropolitana da Barra da Tijuca e conselheiro do CREMERJ, Luiz Zamagna; o representante de Angra dos Reis Ywalter Gusmão e o 1º secretário, Celso Kreimer; o coordenador de Duque de Caxias e conselheiro, Benjamin Baptista; o 1º secretário de Nova Iguaçu, Archimedes Freire; o coordenador de Niterói, Marcelo Erthal; o coordenador de Petrópolis, Guilherme Toledo; o coordenador de Barra Mansa, Bernardo Romeo; o coordenador de Itaperuna,  Agostinho Boechat; o representante de Campos dos Goytacazes Edilbert Pellegrini; o representante de Nova Friburgo Marcelo Orphão, o diretor do CREMERJ e coordenador de Macaé e Resende,  Antônio Abílio Pereira; e o coordenador de Três Rios, Ivson Ribas. O conselheiro do CREMERJ José Ramon Blanco também participou.