SMS do Rio tem plano para aplicar telemedicina na saúde

12/12/2019

Em reunião na Secretaria Municipal de Saúde (SMS), nessa terça-feira, 10, para tratar de uma proposta de implementação da telemedicina na rede pública, o presidente do CREMERJ, Sylvio Provenzano, deu um parâmetro de como o projeto deve ser aplicado caso ele prossiga. A previsão para ser instituída a nova resolução da telemedicina, que ainda está em construção, é para o começo de 2020.

 

Os principais pontos debatidos na ocasião foram o atendimento à distância, que não garante médicos nas duas pontas da consulta; e o prontuário eletrônico, que, apesar de já ser utilizado nas quatro maiores emergências do município – Souza Aguiar, Miguel Couto, Lourenço Jorge e Salgado Filho –, o CREMERJ ainda vê incertezas quanto à segurança nos dados dos pacientes.

 

Provenzano explicou que o Conselho não é contra os avanços tecnológicos, mas que são necessários alguns cuidados no cumprimento das normas.

 

“É importante ter cautela e consciência para que o nosso objetivo de melhorar a assistência não resulte no contrário. A avaliação adequada da interconsulta deve contar com médicos nos dois lados. Também me preocupo com as informações dos pacientes. Já que não há garantias de que, mesmo em uma nuvem, elas não serão perdidas”, atentou o presidente.

 

O subsecretário da SMS, Jorge Darze, alegou que a execução dos prontuários eletrônicos, chamado de Prontuário Carioca, permite que os gestores tenham dados fidedignos das pessoas. Permitindo também mais agilidade nos atendimentos, já que os médicos têm acesso aos resultados dos exames sem que os pacientes tenham necessidade de levá-los.

 

“Com esse sistema também vamos conseguir controlar os medicamentos que saem das farmácias. Pois os remédios serão separados automaticamente no momento em que o paciente der entrada. À medida que esses registros forem públicos, o combate à corrupção passa a ser outra consequência desse projeto”, disse.

 

O membro da Câmara Técnica (CT) de Informática Médica e Telemedicina em Saúde do CREMERJ Luiz Santoro Neto, que também esteve presente, falou sobre algumas propostas do Conselho na construção da resolução.

 

“A telemedicina permite que um médico atenda de qualquer parte do país. Nós, como o Conselho regional, não temos poder sob o atendimento de um médico de outro estado, mas é um paciente do Rio de Janeiro que está sendo atendido. Se na outra ponta da consulta for um profissional de saúde de outra categoria, como um enfermeiro, também estaremos regulamentando a eles atividades que não foram determinadas pelo Ministério da Saúde”, alertou.

 

Ao final, foi acordada uma reunião dos representantes da SMS com a CT de Informática Médica e Telemedicina em Saúde do CREMERJ para apresentarem as ideias do plano da telemedicina e a construção dos prontuários que estão sendo desenvolvidos pela secretaria.

 

Também participaram a secretária municipal de saúde, Ana Beatriz Busch, e o chefe da assessoria técnica da informação da SMS, Leon Ayres. Além dos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), a capitã Simone Farah, a major Mariana Aires e o coronel Roberto Miúra.