Primeira reunião anual da Somerj discute a telemedicina

18/03/2019


A “Informática médica – telemedicina” foi o tema abordado pelo coordenador da Câmara Técnica de Informática Médica e Telemedicina em Saúde do CREMERJ, Eduardo Pereira Marques, em sua palestra científica na primeira reunião deliberativa da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), neste sábado (16).

O diretor do CREMERJ Flávio de Sá compôs a mesa de abertura, ao lado do presidente da Federação Nacional dos Médicos do Rio de Janeiro (Fenam), Jorge Darze; do presidente da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro (SMCRJ), Jorge Farha; do presidente da Somerj, Benjamin Baptista; e do secretário-geral da Somerj, Rômulo Campelo.

Para Flávio Sá, a tecnologia tem como finalidade acrescentar e melhorar a prática médica. “A atividade do médico deveria ser a mais importante, porém, no Brasil, é a mais descartável. O desenvolvimento da telemedicina representa uma ameaça quando, na verdade, ela deve proporcionar uma aproximação com o paciente e uma melhora da nossa capacidade técnica. Mas, infelizmente, tentam transformá-la em mais um elemento para desvalorizar a profissão”, disse o diretor do CRM.

A entidade fez reunião deliberativa após a palestra científica. “O encontro ultrapassou as nossas expectativas. A palestra sobre telemedicina foi espetacular, elucidativa, colocou os conceitos corretos e emitiu a sua opinião, que o médico não pode ser desfavorecido com a implantação do método. Porém creio que o fator primordial nesse momento é a telemedicina, já que houve um grande alvoroço com publicação da Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) nº 2.227/18, que não contemplava os médicos. A partir daí, todas as sociedades médicas do país se manifestaram e o CFM fez a revogação da norma, o que tem nos dado tempo para discutir o assunto”, concluiu o presidente da Somerj.