Especialistas debatem novo sistema de regulação

19/12/2018


O conselheiro e responsável pela Câmara Técnica de Aids e DST do CREMERJ, Cesar Figueiredo Veiga, participou, nesta terça-feira, 18, de uma reunião para  debater o Reuni/RJ – plataforma unificada de atendimento para regular os serviços de saúde oferecidos pelas redes federal, estadual, municipal e privada, vinculadas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Na ocasião, foram discutidos principalmente os trâmites de regulação para internação de pessoas que vivem com HIV.

O encontro foi liderado pelo infectologista e gerente de DST-Aids e Hepatites Virais da Secretaria Municipal de Saúde (SMS-RJ), Jadir Rodrigues Fagundes Neto, e contou com palestras da assistente da Superintendência de Regulação da Secretaria Estadual de Saúde (SES-RJ) Fernanda Ribeiro e do responsável técnico do Complexo Regulador da Secretaria Municipal de Saúde (SMS-RJ), Cassio Luiz de Carvalho.

Segundo Jadir, a criação do Reuni/RJ foi uma determinação do Ministério Público do Rio de Janeiro, com o intuito de unificar o sistema de regulação, que se divide atualmente entre o Sisreg (municipal) e o SER (estadual).

“Os nossos principais problemas estão no momento de regulação, na escolha de qual unidade de saúde encaminhar o paciente e na demora dos hospitais responderem se há ou não leito disponível. Para piorar a situação, no Rio de Janeiro, temos hospitais federais, municipais, estaduais e universitários, e sempre ocorre a dúvida de qual sistema utilizar. Acredito que, com o Reuni, essa questão da regulação ganhará mais agilidade”, garantiu Jadir.

Outra questão apontada pelo infectologista foi a dúvida quanto à regulação de pessoas que vivem com HIV e precisam de internação, seja devido a complicações decorrentes da doença, tratamento interrompido ou por diagnóstico tardio. “Nesses casos, há sempre a dúvida quanto ao tipo de leito solicitado: clínico ou especializado”, complementou.

Para o conselheiro do CRM, o encontro foi importante para a classe médica e para um melhor atendimento à população. “O Reuni surge como uma ferramenta no sistema de regulação de saúde do nosso Estado e município, que visa integrar os sistemas reguladores já existentes. Acreditamos que toda e qualquer melhoria no atendimento dos nossos pacientes deve ser encarada de forma otimista e encorajadora”, declarou Cesar. 

Na opinião dos médicos participantes, essa foi apenas a primeira de muitas reuniões para sanar todas as dúvidas, trocar experiências e solicitar ajuda dos representantes da saúde pública do Estado.