SMS confirma desativação de 184 equipes de saúde da família

10/12/2018


Em reunião com a Comissão de Saúde Pública do CREMERJ, nessa quarta-feira, 5, representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) reiteraram o anúncio feito em outubro de desativação de 184 equipes de saúde da família e 55 equipes de saúde bucal na cidade do Rio de Janeiro. O motivo para os cortes seriam as restrições para o orçamento do ano que vem. De acordo com a SMS, há um déficit na saúde do município avaliado em R$ 700 milhões em 2018, que deve se repetir em 2019. A reunião foi coordenada pelo persidente da Comissão, o conselheiro Antonio Werneck de Castro.

“A expansão da estratégia de saúde da família na cidade é muito recente e quando encontramos problemas na atenção básica, a abordagem não deve ser de fechar, e sim melhorar. O verão está chegando e o combate às arboviroses e a imunização são feitos, principalmente, pela atenção primária. A prefeitura, seguidamente, tem desrespeitado as normas do SUS ao tirar da secretaria Municipal de Saúde a autoridade sanitária da cidade”, avaliou o conselheiro do CRM Roberto Fiszman.

Dezenas de técnicos da prefeitura trabalham para minimizar os efeitos das decisões do prefeito Marcelo Crivella. A SMS garante que nenhuma clínica será fechada. Com o corte, a cidade ficará com 1.079 equipes de saúde da família e mais 41 novas equipes de atenção básica, que, segundo a Secretaria, serão formadas com servidores realocados.

“O profissional de saúde da família é um médico escasso no mercado, com uma especialidade muito importante. Temos que valorizar esses profissionais. A Estratégia só faz sentido se for com um médico de saúde da família”, disse o presidente do CREMERJ, Sylvio Provenzano.

O processo está em fase de discussão da lista das equipes selecionadas para desativação e a SMS ainda avalia como lidar com as consequências dessas perdas.