Assembleia de convênios delibera ações para 2018

08/03/2018


Durante a Assembleia Geral de Convênios nessa quarta-feira, 07, os médicos decidiram o percentual de reajuste dos honorários que será apresentado durante as negociações com as operadoras este ano e outras pautas que serão debatidas com as empresas. Convocado pelo CREMERJ, pela Somerj e pelas sociedades de especialidade, o encontro deliberou também a abertura de debates sobre o Fator de Qualidade (FQ) na saúde suplementar.

O presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, abriu a reunião com informes do Conselho. O Grupo Caberj apresentou a proposta de reajuste de 2,95% para exames e, referente aos  planos Integral Saúde e Caixa Assistência à Saúde. Os presentes na assembleia não aceitaram o aumento oferecido. Foi decidido que o percentual a ser negociado com todos planos de saúde, em 2018, será o Fipe Saúde (em 8,17%) mais 2%.

Também foi deliberado na reunião que entrará na pauta de discussão com as operadoras os seguintes temas: esclarecimento sobre o aumento de glosas,  a equiparação de honorários para atendimentos na enfermaria e nos quartos e a convocação dos diretores técnicos das operadoras quando as mesmas não comparecerem aos encontros de negociação.

“A  Comissão de Saúde Suplementar (Comssu) do CREMERJ tem desempenhado um papel importante na negociação com as operadoras da saúde suplementar e conseguido conquistas importantes para os médicos. E este ano já temos muitos outros desafios pela frente. É importante que as sociedades continuem participando e tragam suas demandas para as assembleias”, acrescentou Nahon.

Sobre o Fator de Qualidade, foi decidido, por unanimidade, solicitar à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS),  a prorrogação do preenchimento do questionário que define a aplicação do índice. A previsão de entrega era para o dia 9 de março, mas muitos médicos não alegaram que não haviam recebido o documento.   

A assembleia discutiu ainda as mudanças dos critérios de aplicação do fator de qualidade para este ano. A ANS propôs o percentual de 100% do IPCA para os médicos que não têm Título de Especialista (TE) e não preencherem o formulário da ANS e 105% para os médicos que têm Título de Especialista e preencherem o formulário da ANS;

“O tempo para preenchimento ficou muito curto. Vamos encaminhar a nossa solicitação de ampliação do tempo para a ANS, para o Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Médica Brasileira (AMB) para o prazo seja ampliado. Estamos em um momento de negociação e não podemos permitir que o médico que não preencheu seja prejudicado”, disse a conselheira Marcia Rosa.

Também estiveram presente os conselheiros Pablo Vazquez e Kássie Cristine Cargnin, e o presidente da Somerj,  Benjamin de Almeida.