Após vitória, residentes suspendem paralisação

15/01/2018


Em assembleia extraordinária, realizada na última sexta-feira (12) na sede do CREMERJ, a Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj) e os residentes da rede municipal do Rio decidiram cancelar a paralisação que seria iniciada no mesmo dia. A medida foi tomada após o prefeito Marcelo Crivella quitar a dívida de bolsas atrasadas e se comprometer a manter a regularidade no pagamento. No entanto, os profissionais permanecem em estado de greve.

As bolsas não eram pagas há dois meses. Na manhã de sexta-feira, Crivella se reuniu com residentes e entidades médicas, como o CRM, a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed-RJ), para debater as reivindicações da categoria. Entre as queixas, estão a falta de segurança, más condições de trabalho e o sucateamento de hospitais e unidades de saúde.

Segundo o vice-presidente da Amererj, Luiz Fernando Rodrigues, o pagamento das bolsas e a abertura de um canal de comunicação com representantes da saúde pública mostraram a importância da união dos residentes com o CREMERJ e outras entidades médicas.

“Por intermédio do CRM, da Fenam e do SinMed, tivemos amplo espaço para discutir com o prefeito. Ele ouviu nossas reclamações e propôs nos dar uma resposta até 26 de janeiro. Em relação às bolsas, pedimos que houvesse um calendário de pagamento, e o secretário de Saúde garantiu que os depósitos serão feitos no décimo quinto dia de cada mês. Sobre a falta de segurança, o secretário disse que vai rever os contratos das prestadoras de serviço de vigilância e apurar as falhas”, contou Rodrigues.

“A partir de hoje, entramos em estado de greve e, após o próximo encontro com o prefeito, decidiremos os passos futuros do movimento”, concluiu o vice-presidente da Amererj.